Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Santos Ferreira sugere que Vara ficou com pelouro das participações da CGD por acaso

Por que ficou Armando Vara com a gestão das participações financeiras do banco estatal? "Porque foi assim, não consigo dar um racional", disse o antigo presidente da CGD no Parlamento

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Carlos Santos Ferreira, que foi presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2005 e 2007, assegurou esta quinta-feira na Assembleia da República que a atribuição a Armando Vara do pelouro das participações financeiras não obedeceu a nenhum motivo específico.

O deputado João Almeida, do CDS-PP, questionou Santos Ferreira sobre o porquê da escolha de Vara como o administrador responsável pelas participações financeiras do banco estatal, em que se veio a incluir a posição no empreendimento de Vale de Lobo.

A resposta? "Porque foi assim. Não consigo dar um racional para isso. Os administradores que saem são das áreas comerciais e os que entram vão para as áreas comerciais e é preciso redistribuir".

"Eu ficaria mal se dissesse que foi uma atribuição aleatória. A prática corrente era distribuir pelos restantes administradores os pelouros que sobravam", acrescentou Carlos Santos Ferreira, lembrando que em vários momentos a administração da Caixa teve de ser reajustada, como sucedeu quando Carlos Costa saiu para o Banco Europeu de Investimento, ficando o conselho de administração reduzido de nove para oito elementos.

Durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito sobre a gestão da CGD, Carlos Santos Ferreira notou ainda que a direção de participações financeiras era "importante" mas não "estratégica".

Armando Vara, recorde-se, é arguido na Operação Marquês, tendo chegado a estar em prisão domiciliária, sob indícios de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva. Vara já negou ter recebido contrapartidas para fazer a CGD aprovar um crédito de quase 200 milhões de euros ao empreendimento de Vale do Lobo, num negócio envolvendo Joaquim Barroca, do grupo Lena, Carlos Santos Silva e Helder Bataglia.