Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Caixa Bank admite redução de 900 postos de trabalho no BPI

O objetivo é ter um rácio de gastos com pessoal em linha com o dos seus "pares domésticos" e poupar 45 milhões de euros, referem os responsáveis do banco catalão

"O rácio de gastos com pessoal por receitas da sociedade visada (BPI) em 2015 é de 44%, enquanto o dos seus pares domésticos se situa num nível de 35%. O ajuste deste rácio de 44% da sociedade visada para os referidos 35% dos seus pares domésticos equivaleria a uma redução de 900 trabalhadores". É assim que o prospeto de OPA do grupo Catalão CaixaBank sobre o BPI deixa em aberto uma possível redução de 900 postos de trabalho no banco português.

De acordo com o documento, o corte de pessoal traduz-se numa economia de "aproximadamente 45 milhões de euros", considerando o custo médio por trabalhador do banco.

Quanto à forma de agilizar esta redução, o prospeto é claro: "a redução de despesas com pessoal resultante de quaisquer restruturações laborais seria realizada pelo Oferente em estrito cumprimento dos parâmetros sociais que têm vindo a ser observados pelo Oferente em procedimentos similares (incluindo a reorganização interna do Oferente em 2013), dando prioridade a reformas antecipadas e lay-offs incentivados".

Em causa, está o "fortalecimento da posição competitiva da Sociedade Visada através de ganhos de eficiência no contexto de um setor bancário português mais competitivo" e convicção de que "sem prejuízo de nos últimos anos a Sociedade Visada ter feito um esforço muito destacável para melhorar a sua posição competitiva em Portugal, em particular em termos de redução de custos, é de esperar que a sua pertença a um grupo bancário de maior escala, como é o grupo do Oferente, permita alcançar maiores níveis de eficiência, produtividade e rentabilidade no contexto de um sector bancário doméstico mais competitivo e exigente".

No entanto, no que se refere ao número de balcões, o documento não prevê cortes para além dos que têm vindo a ser implementados, referindo que o BPI "tem vindo a reduzir a sua rede de balcões em Portugal até aos actuais 545. Mais concretamente 52 balcões em 2015 e 52 adicionais até setembro de 2016" e, a manter-se esta tendência em 2017, não está previsto o encerramento adicional de balcões.

Já no que respeita a sinergias de custos, o grupo catalão prevê a possibilidade de gerar até €84 milhões anuais de poupanças no negócio do BPI, considerando "aproximadamente €45 milhões (-15% da base recorrente da Sociedade Visada), que derivariam da poupança de custos com pessoal" e mais " €39 milhões (-20% da base recorrente da Sociedade Visada), que derivariam de redução de custos gerais".