Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Consórcio MSF/Ferrovial ganha barragem da Iberdrola no Alto Tâmega

A construção da central de Gouvães custa 80 milhões de euros. É o terceiro contrato da Iberdrola com a MSF/Ferrovial

O consórcio luso-espanhol MSF Engenharia/Ferrovial foi escolhido pela Iberdrola para construir a central hidroeléctrica de Gouvães, no Alto Tâmega, na zona de Chaves.

É uma obra de 80 milhões de euros que reforça a carteira das duas construtoras, com um prazo de execução de quatro anos, de acordo com a informação duvulgada esta quarta-feira pelo consórcio.

A empreitada inclui a construção de duas cavernas. A principal terá 120 metros de comprimento, 20 metros de largura e 44 metros de altura, que albergará quatro grupos de geradores de 220 Kilowatts cada. A segunda caverna acolherá os transformadores e terá 80 metros de comprimento, 17 de largura e 14 de altura.

O consórcio será também responsável pela escavação de cinco quilómetros de galerias, entre as quais se destacam oito poços verticais, com uma altura máxima de 320 metros.

Terceiro contrato com a Iberdrola

A central de Gouvães é o terceiro contrato que a Iberdrola adjudica a este agrupamento de empresas, no âmbito do polo hidroeléctrico do Alto Tâmega. Em maio de 2016, o consórcio fora selecionado para construir a barragem e central de Daivões. Este plano de barragens no Tâmega tem suscitado a oposição de movmentos ambientalistas.

A MSF está entre as 10 maiores construtoras portuguesas, operando em 12 países – os mercados mais recentes, com obras rodoviárias, são o sultanato de Omã e a Serra Leoa.

A Ferrovial é um dos principais conglomerados globais de infraestruturas e gestão de serviços, com presença em 20 mercados e 96 mil assalariados.