Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BCP faz aumento de capital de €1,3 mil milhões

Mário Cruz / Lusa

O BCP aprovou esta segunda-feira em conselho de administração um aumento de capital reservado a acionistas. Um dos objetivos é antecipar o pagamento do chamado capital contingente (CoCos) no valor de €700 milhões e manter os rácios de capital com alguma folga

O BCP vai aumentar o capital em €1,3 mil milhões. A injeção de capital do banco liderado por Nuno Amado permitirá devolver ao Estado o capital contingente (CoCos) no valor de €700 milhões. No final do ano, sabe o Expresso, o banco amortizou €50 milhões da ajuda estatal concedida em 2012.

O BCP já dispõe de autorização do Banco Central Europeu (BCE) para amortizar o que resta do empréstimo estatal concedido.

Esta operação, aprovada esta segunda-feira de manhã, permite também manter o rácio de capital a níveis confortáveis, na casa dos 11%.

A 19 de dezembro quando foi aprovada em assembleia geral a alteração da blindagem dos estatutos do banco de 20% para 30%, Nuno Amado disse que "estão criadas as condições para o banco ter uma base de acionistas um bocadinho mais forte e também apoiarem a própria evolução do BCP".

E assim foi. O aumento de capital anunciado permite à Fosun reforçar dos atuais 16,7% para perto de 30%, como foi acordado no verão de 2016 entre o investidor chinês e a administração do BCP.

Também a Sonangol que depois da entrada da Fosun viu a sua posição baixar de 17,84% para 14%, dispõe já da autorização do BCE para reforçar a sua posição no BCP acima dos 20%.

Ações a 9,4 cêntimos

O preço de subscrição das novas ações do BCP será de 9,4 cêntimos, o que corresponde a um desconto de 90,2% face ao valor a que o BCP fechou esta segunda-feira em bolsa (1,04 euros).

A operação foi tomada firme por um consórcio de bancos internacionais, com os americanos JP Morgan, Goldman Sachs e Bank of America Merril Lynch, o suiço Crédit Suisse e o italiano Mediobanca.

O BCP comunicou entretanto que foram cooptados Lingjiong Xu e João Nuno Palma para desempenharem as funções de vogais, não executivo e executivo, até ao termo do mandato em curso (2015-2017). Serão os representantes da Fosun no banco.