Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Para 79% dos líderes é difícil contratar

O sector das tecnologias de informação continuará a ser aquele que regista maiores dificuldades de recrutamento em 2017

Gettyimages

O otimismo reina entre os empregadores nacionais, mas contratar em Portugal pode não ser fácil em 2017

Catia Mateus

Catia Mateus

Jornalista

Pela primeira vez em nove anos, a percentagem de empregadores que pretendem recrutar em 2017 (73%) é superior à dos profissionais que consideram mudar de emprego nos próximos 12 meses (71%). A conclusão é avançada pelo Guia do Mercado Laboral 2017, elaborado anualmente pela consultora de recrutamento Hays, a que o Expresso teve acesso em exclusivo. O estudo dá conta de uma onda de otimismo que envolve as novas contratações em território nacional, e que se vem acentuando desde final do ano passado, mas segundo Paula Baptista, diretora-geral da Hays Portugal, não fica imune a um problema cada vez mais expressivo: “79% das empresas portuguesas inquiridas no âmbito deste estudo apresentam já dificuldades em recrutar talento”, alerta.

O mercado está mais dinâmico e quer contratar, mas encontrar os profissionais certos está longe de ser uma equação matemática de solução perfeita. Há sectores de atividade onde as dificuldades são mais expressivas. À já histórica dificuldade em contratar profissionais com as competências certas para a área das tecnologias de informação, “onde o fosso de competências permanece abissal”, Paula Baptista junta agora a área comercial, que tem hoje mais exigências ao nível do conhecimento transversal do negócio, alguns sectores da indústria e até a área dos shared service centers (centros de serviços partilhados) que, pelo crescimento que têm registado em Portugal e pelas exigências que colocam ao nível da fluência de idiomas menos comuns, colocam desafios crescentes na identificação de talento.

Novos desafios sectoriais

Carla Rebelo, diretora-geral da Adecco Portugal, acrescenta a esta lista sectores como o turismo e o imobiliário — até aqui apontados como improváveis quando falamos em dificuldades de contratação. No primeiro caso, “a procura é de tal forma grande, fruto da expansão que o turismo nacional tem registado (e que se prevê continue) que muitas empresas já consideram contratar profissionais de outras áreas de formação”. No segundo caso, a recuperação que o sector tem vivido nos últimos anos, aumentou de forma repentina a necessidade de profissionais qualificados e com competências que vão hoje muito além do simples “jeito para as vendas”. Perfis qualificados em áreas diversas, como a área jurídica, fiscalidade, engenharia ou arquitetura, têm hoje lugar nesta indústria em acelerado crescimento. “Este é um dos sectores que abarcam uma maior diversidade de profissionais pela natureza das suas qualificações, mas a taxa de rotação entre empresas é muito elevada e alimentar a necessidade de profissionais está progressivamente a tornar-se mais complexo”, explica a diretora da Adecco, acrescentando que “a procura está em alta, as comissões são aliciantes e há muita flexibilidade dos profissionais para mudar, colocando às empresas grandes desafios ao nível da retenção de trabalhadores”.

Danos na produtividade

Paula Baptista realça que entre os 79% de empresários portugueses que admitiram dificuldades de contratação, no âmbito do estudo realizado pela empresa, “quase um quarto admite que esta dificuldade motivou algum tipo de quebra na performance ou nos resultados do negócio”.

Reconhecendo que existem diferenças significativas de sector para sector e desafios distintos ao nível da captação e retenção de talentos, Mafalda Vasquez, diretora da MSearch, empresa de recrutamento do grupo Multipessoal, realça que em algumas áreas, como as tecnologias de informação, “não só há pleno emprego, como os candidatos estão mais negociadores. Já não se movem apenas pelo salário e querem conhecer o projeto, a posição da empresa no mercado e face à concorrência ou as opções de progressão na carreira”, explica. Segundo a especialista, muitas vezes os processos de negociação são longos e no final os profissionais acabam por não estar disponíveis para mudar, mesmo por um salário superior.

Apesar destas dificuldades, as líderes das três empresas de recrutamento antecipam um 2017 dinâmico em matéria de contratações, ainda que com grandes desafios sob o ponto de vista da gestão estratégica dos recrutamentos, da retenção de talento nas empresas e até da própria mudança dos processos de trabalho. Mafalda Vasquez fala, por exemplo, dos desafios inerentes à evolução e aceitação do trabalho remoto e da relevância do big data para as empresas que procuram a todo o custo acompanhar a velocidade da revolução digital.

O sector comercial (gestores de contas e técnicos comerciais), as tecnologias de informação (programadores, especialistas em segurança, business intelligence e big data) e a indústria (gestores industriais, de manutenção ou produção para indústrias têxtil, alimentar, metalomecânica, automóvel ou aeronáutica) estarão, segundo Paula Baptista, entre os perfis mais procurados durante este ano.

10 competências para a empregabilidade

A rede social LinkedIn divulgou a habitual lista anual das competências mais procuradas pelos empregadores em 2016

Computação cloud (nuvem)
Análise estatística e data science (ciência de dados)
Arquitetura de sistemas
Software de integração
Design de interface do utilizador
Cibersegurança
Desenvolvimento mobile
Apresentação de dados 
(data presentation)
SEO / SEM Marketing
Sistemas de armazenamento e gestão