Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas europeias em máximos de um ano

Getty

As ações europeias atingiram máximos de um ano na primeira sessão de 2017, num dia marcado pelo fecho das principais bolsas mundiais. O PSI-20 também subiu e os juros da dívida soberana portuguesa desceram

As ações europeias tocaram em máximos de mais de um ano esta segunda-feira, na primeira sessão de 2017, suportadas em indicadores económicos positivos na zona euro.

A negociação foi condicionada pela fraca liquidez devido ao fecho das principais praças mundiais, incluindo em Londres e nos Estados Unidos.

Na Europa, foi divulgado o índice de gestores de compras para a indústria na zona euro, que se fixou em 54,9 em dezembro, registando a subida mais forte em cinco anos, segundo a Thomson Reuters.

O índice STOXX Europe 50 subiu ao máximo desde dezembro de 2015 e Frankfurt e Paris também subiram a máximos de mais de um ano. O índice STOXX Europe 600 subiu 0,5% esta segunda-feira.

A bolsa portuguesa também acompanhou o sentimento positivo e o PSI-20 subiu 1,17% para os 4.734,06 pontos, depois de ter registado uma queda de 12% no ano de 2016.

A Altri liderou as subidas em Lisboa com um ganho de 2,67% para 3,97 euros.

A liquidez foi muito reduzida dada a ausência de muitos investidores. Negociaram-se 11,4 milhões de ações ou 30,5 milhões de euros.

Em Itália, nota para a primeira sessão de negociação do BPM, banco resultante da fusão do Banco Popolare di Milano com o Banco Popolare, que fechou a subir 9%.

“As bolsas europeias mantiveram a tendência positiva que vinham a registar no final do ano passado. Lisboa acompanhou hoje a tendência europeia”, afirmou Albino Oliveira, analista da Patris.

“O indicador divulgado hoje sobre a zona euro apenas veio reforçar os sinais positivos em termos de dados macroeconómicos que já existia no final de 2016”.

O maior apetite por risco beneficia hoje as obrigações soberanas da periferia europeia. Os juros da dívida soberana portuguesa a 10 anos estão em queda esta segunda-feira e recuaram mesmo ao mínimo de quase quatro semanas, para os 3,715%, a descer oito pontos base, segundo dados da Thomson Reuters.

Também os juros da dívida soberana italiana a 10 anos recuaram para mínimos de oito semanas.

Dívida pública recua em novembro

A dívida pública portuguesa diminuiu 1,3 mil milhões de euros em novembro face ao final de outubro, segundo o Banco de Portugal. Situa-se em 241,8 mil milhões de euros.

Segundo o banco central, a descida deve-se a "uma diminuição nos empréstimos (1,9 mil milhões de euros), essencialmente por via do reembolso antecipado de empréstimos do Fundo Monetário Internacional (2,1 mil milhões de euros), e emissões líquidas positivas de títulos (0,5 mil milhões de euros), com destaque para a terceira emissão de obrigações do Tesouro de rendimento variável (1,5 mil milhões de euros)".