Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Agências de rating. Novo ciclo de avaliações arranca dia 13

EMMANUEL DUNAND / AFP / GettyImages

De acordo com os calendários provisórios de atualização dos ratings em 2017, das quatro principais agências de notação financeira a Moody's será a primeira a voltar a avaliar a situação de Portugal

A Moody's será a primeira agência de rating a pronunciar-se sobre Portugal este ano e deverá fazê-lo já em janeiro, sendo a DBRS, a única que coloca Portugal fora do lixo, a última a avaliar a situação do país.

De acordo com os calendários provisórios de atualização dos ratings em 2017, das quatro principais agências de notação financeira a Moody's, que atualmente dá à República Portuguesa um rating de Ba1 com perspetiva estável, vai voltar a olhar para Portugal a 13 de janeiro, estando ainda previstos novos pareceres para os dias 5 de maio e 1 de setembro.

A Fitch tem agendadas as suas avaliações à nota atribuída a Portugal, que está agora em BB+ e com perspetiva estável, para 3 de fevereiro, 16 de junho e 15 de dezembro.

A terceira agência a pronunciar-se sobre Portugal será a Standard & Poor's, que fixou o rating de Portugal em BB+ com perspetiva estável, e vai fazer a primeira avaliação de 2017 no dia 17 de março e revê-la a 15 de setembro.

A canadiana DBRS, a única que atualmente coloca a dívida portuguesa num grau de investimento (BBB low e perspetiva estável), só se pronuncia sobre o país em abril, no dia 21, voltando a olhar para a nota de Portugal em outubro, no dia 20.

A notação das agências de rating é um dos indicadores a que os mercados prestam muita atenção, porque avalia a capacidade de o país pagar a sua dívida.

O Banco Central Europeu (BCE) também valoriza esta notação ao exigir que, para continuar a comprar dívida pública em Portugal e a financiar a banca nacional, pelo menos uma destas quatro agências de rating atribua uma notação de investimento ao país.

As agências de rating passaram a ter de divulgar no final de cada ano o calendário para o ano seguinte, respeitando assim a diretiva 462/2013 da Comissão Europeia, que determina que as atualizações dos ratings soberanos sejam publicadas a uma sexta-feira e apenas depois do fecho das bolsas, por forma a reduzir os riscos de volatilidade do mercado.

No entanto, as agências de notação financeira podem desviar-se das datas definidas desde que expliquem essa alteração e que isso não se torne frequente, pelo que os calendários agora divulgados são meramente indicativos.