Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

1023 eventos dão vida ao Algarve na época baixa

NOVO ANO, NOVO CIRCO A passagem de ano na serra de Monchique com um espetáculo de Novo Circo vai ser o ponto alto do programa 365 Algarve, cuja agenda de eventos vai de outubro a maio

Programa de combate à sazonalidade, 365 Algarve, vai ser reforçado em 2017. Até outubro deste ano, 65% do crescimento turístico na região já foi fora do período de verão

Foi escolhido um local “fora do normal” para a passagem de ano que representa a principal aposta do Turismo do Algarve: o heliporto de Monchique, em plena serra algarvia, com um espetáculo de Novo Circo, modalidade que cruza várias linguagens artísticas, teatro, dança, música ou trapézio, para gerar um forte impacto visual.

A marcar a entrada em 2017, o Novo Circo é a 'cereja em cima do bolo' do programa 365 Algarve, que foi lançado este ano com o propósito de atenuar a sazonalidade na região, tornando-a num destino com vida e atividades “365 dias por ano”. O programa arrancou em outubro e estende-se até maio de 2017, e nestes oito meses de época baixa vai ter ao todo 1023 eventos culturais fornecidos por mais de uma centena de empresas.

“O Novo Circo pretende dar uma oferta diferenciadora num período em que muita gente vai ao Algarve, também no objetivo de levar as pessoas a descobrir o interior e a serra”, refere Dália Paulo, coordenadora do programa 365 Algarve.

O Novo Circo em Monchique vai ter três sessões, de 20 a 31 de dezembro (numa tenda com capacidade para 400 pessoas), sendo a mais emblemática a da noite da passagem do ano. Intitulado 'Maintenant ou Jamais' (Agora ou Nunca), o espetáculo vai ser assegurado pelo grupo francês Cheptel Aleïkoum, Circa Tsuica com doze artistas, músicos e acrobatas.

Com eventos diários programados para todo o período de inverno, o 365 Algarve é apoiado pelas secretarias de Estado do Turismo e da Cultura e a sua agenda inclui desde “cinema em igrejas, música, dança, teatro, coisas giríssimas com artes mais ou menos convencionais, numa diversidade temática e artística que enriquece o território e passa por todos os 16 municípios do Algarve”, frisa Dália Paulo. “São atividades que não estão confinadas aos espaços de arte tradicionais, mas que também estão na rua, e está a acontecer muita coisa no Algarve todo”.

Terminou esta quarta-feira, no âmbito do 365 Algarve, a iniciativa “Fazer Render o Peixe”, que começou a 20 de dezembro no Museu de Portimão, em que chefes de cozinha se misturam com artistas em criações que envolvem arte, concertos e gastronomia. O destaque vai ainda para outro evento próximo, a 23 de dezembro, o 'Faro Desvendado' (que decorre duas vezes por mês), com visitas guiadas por atores pelo património da cidade e envolvendo encenações.

365 Algarve vai ser reforçado no inverno de 2017

“O programa 365 Algarve foi montado em tempo recorde, e tem animado o período de inverno com atividades todos os dias por todo este Algarve”, faz notar Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve, adiantando que o programa de combate à sazonalidade vai ter continuidade no inverno de 2017 para 2018.

'FARO DESVENDADO' Os passeios ao património guiados por atores decorrem duas vezes por mês no período de inverno

'FARO DESVENDADO' Os passeios ao património guiados por atores decorrem duas vezes por mês no período de inverno

FOTO DANIEL PINA/ALGARVE INFORMATIVO

“Esta é a primeira fase de um processo e está já em vista outro programa, ainda mais reforçado, a começar em outubro de 2017 até maio de 2018”, avança o responsável da Região de Turismo do Algarve, referindo ainda que este programa está a ser monitorado pela Universidade do Algarve, que em maio de 2017 irá apresentar um balanço com vista a apurar os impactos desta iniciativa.

A sazonalidade, ou seja, a elevada concentração de procura num tempo reduzido do ano, o pico do verão, tem sido apontada como um dos problemas mais graves do turismo do Algarve, mas que este ano está a ter uma evolução positiva. “No final de outubro atingimos todos os números de 2015 e o mais interessante é que 65% dos aumentos ocorreram nos meses não tradicionais, fora da época alta”, salienta o presidente da Região de Turismo do Algarve.

Segundo Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, o foco do programa 365 Algarve é “passar a mensagem que há sempre alguma coisa a acontecer no Algarve”, pois “uma das queixas dos operadores internacionais era que no inverno não havia nada a acontecer no Algarve”.

Dália Paulo, coordenadora do 365 Algarve, lembra que “não é só um programa para turista ver, tem envolvido muito empenho dos parceiros para que tudo corra bem, e também se propõe contribuir para o aumento da autoestima dos residentes e pôr os algarvios a falar do que vai acontecer com os olhos a brilhar. Quando gostamos da nossa região, vendemo-la sempre melhor”.