Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Prémio de risco dispara para Grécia e Portugal

JOHN THYS/GETTY

As dúvidas sobre se o prolongamento do programa de compras do BCE beneficia realmente Portugal e o anuncio da suspensão das medidas de curto prazo de alívio da dívida grega aumentaram a pressão sobre os dois periféricos do euro. Juros da dívida norte-americana acima de 2,6%

Jorge Nascimento Rodrigues

A pressão sobre a dívida obrigacionista portuguesa no mercado secundário regressou desde a reunião do Banco Central Europeu (BCE) a 8 de dezembro. É o terceiro momento de stresse no segundo semestre deste ano depois da especulação em setembro e outubro em torno do risco de um corte no rating ou na perspetiva pela agência DBRS (que não se materializaria) e do ‘efeito Trump’ desde 9 de novembro.

Permanecem as dúvidas entre os investidores e os analistas financeiros se o prolongamento até final de dezembro de 2017 do programa de aquisição de dívida pública pelo BCE vai, efetivamente, retirar Portugal da zona de risco de poder vir a esgotar o montante de obrigações elegíveis durante o próximo ano, mesmo com a ampliação de nove meses das compras e a inclusão de dívida a 12 meses.

As yields das Obrigações do Tesouro português (OT) no prazo de referência a 10 anos subiram no mercado secundário 27 pontos base desde o dia anterior à reunião do BCE. Chegaram a 3,87%, um pico de 11 meses, durante a sessão desta sexta-feira. Recuaram, depois, para 3,79% no fecho da semana.

O prémio de risco da dívida portuguesa em relação à alemã subiu 30 pontos base desde 7 de dezembro, fechando na sexta-feira em 347 pontos base, o equivalente a um diferencial de quase 3,5 pontos percentuais em relação ao custo de financiamento da dívida alemã.

Dúvidas sobre Portugal e ‘castigo’ à Grécia

A decisão da equipa de Mario Draghi em não ampliar os tetos no montante global de aquisição de títulos e por linha obrigacionista de 33% para 40% ou 50%, como muitos analistas esperavam, deixaram situações como a irlandesa e a portuguesa sob o foco de atenção.

Contudo, enquanto, no prazo a 10 anos, as yields para as OT dispararam 27 pontos base, a subida para as irlandesas foi, apenas, de dois pontos base, desde o dia anterior à reunião do BCE.

Ainda que estando sob resgate, a Grécia registou um disparo das yields no mercado secundário e no prémio de risco, alimentado pelo anuncio por um porta-voz do Eurogrupo da suspensão das medidas imediatas de alívio da dívida grega a serem implementadas pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade. O Eurogrupo é um órgão informal de reunião dos ministros das Finanças da zona euro, sem qualquer poder decisório legal, e a posição tomada em relação a Atenas derivou da pressão da Alemanha e teve a oposição pública da França e do líder do grupo parlamentar socialista no Parlamento Europeu.

As taxas das obrigações helénicas a 10 anos encerraram esta semana em 7,21%. Haviam fechado a semana anterior abaixo de 7%. O prémio de risco disparou 65 pontos base desde 7 de dezembro.

A dívida obrigacionista portuguesa é, atualmente, a única na zona euro com rentabilidade negativa, medida desde o início do ano, segundo o índice da Bloomberg. O companheiro neste ‘clube’, a Itália, passou a registar um retorno positivo ligeiro esta semana. O retorno desde o início do ano para a dívida portuguesa fechou em -3,26%, uma melhoria em relação à semana anterior, mas um agravamento em relação a 7 de dezembro, antes da reunião do BCE.

Fed arrefece “trumpflation” e Pequim avisa Trump

A semana ficou marcada pela última reunião do ano da Reserva Federal norte-americana (Fed). A equipa de Janet Yellen decidiu por unanimidade aumentar as taxas de referência em 25 pontos base, depois de uma longa espera de 12 meses.

Nas projeções para 2017, os membros do comité que decide a política monetária do mais importante banco central do mundo apontam para três subidas, acelerando um pouco o gradualismo. Projetam chegar ao final do próximo ano com uma taxa em 1,4% no limite superior do intervalo e uma progressão até perto de 3% em 2019. Com a decisão de quarta-feira passada, o limite superior subiu para 0,75%.

Este aumento das taxas de juro de referência provocou uma subida imediata nos juros da dívida dos Estados Unidos a 10 anos no mercado secundário, que subiram de 2,47% a 9 de dezembro para 2,6% no fecho de 16 de dezembro. Alguns analistas já preveem, naquele prazo, yields em 3,6% em junho de 2017.

Soube-se, esta semana, que o maior detentor de dívida norte-americana passou, em outubro, a ser o Japão, ultrapassando a China. Pequim advertiu, esta semana a futura Administração Trump, que “os dias em que, quando os EUA espirravam, o mundo todo se constipava já passaram”. “A liquidez nos mercados globais de hoje não é mais toda em dólares”, escreveu-se, na sexta-feira, no Diário do Povo, o órgão oficial do Partido Comunista da China.

O efeito da subida de 25 pontos base das taxas da Fed nas taxas de juro básicas dos bancos norte-americanos para os pedidos de financiamento foi imediato; subiram de 3,5% para 3,75%.

O dinheiro está mais caro nos EUA e muitos analistas interpretaram a projeção de subida mais rápida das taxas do banco central até perto de 3% nos próximos três anos como o contrabalançar por parte da Fed em relação á “trumpflation”, a um sobreaquecimento que poderá ocorrer na economia americana por efeito da prometida política orçamental expansionista e de desregulação financeira pelo presidente eleito Donald Trump.

Euro a caminho da paridade com o dólar?

Outro efeito da decisão da Fed foi uma desvalorização do euro face ao dólar de 1,9% entre o final da manhã do dia 14 de dezembro em Washington DC (antes do anuncio da decisão da Fed) e o encerramento na sexta-feira.

Com o euro a valer, agora,1,045 dólares, bem distante do máximo de 1,59 dólares em julho de 2008 (antes do colapso financeiro) ou mesmo de 1,39 dólares em maio de 2014, regressaram as projeções que apontam para uma paridade entre o euro e o dólar em 2017. E mesmo para a descida abaixo desse limiar com o euro a valer entre 0,95 e 0,97 dólares no final do próximo ano, segundo previsões do ABN Amro, Barclays, Deutsche Bank, Morgan Stanley e Standard Chartered. O ponto mais baixo do euro face ao dólar registou-se em dezembro de 2000, com o euro a valer perto de 0,8 dólares.