Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugueses lançam empresa global para mobilidade inteligente

O presidente executivo do CEiiA, José Felizardo, pretende concluir até março de 2017 
o spin-off da plataforma "mobi.me"

Kiko Sierich/PTI

Plataforma “mobi.me” quer captar investidores internacionais 
que assegurem 
o capital para crescer

Toda a informação técnica sobre um determinado veículo elétrico, o tipo de carregamento de baterias que utiliza, os percursos diários que realiza e a disponibilidade para ser partilhado por diferentes condutores, são algumas das avaliações, em tempo real, que a plataforma “mobi.me” disponibiliza e que serão aplicadas no Brasil durante 2017 a uma escala geográfica de grandes dimensões. Como as previsões mais “conservadoras” feitas para o seu potencial de crescimento são tão grandes, a instituição que criou a plataforma “mobi.me” — o Centro de Engenharia para Inovação da Industria Automóvel (CEiiA) — considera que chegou a altura de autonomizar a sua atividade como uma empresa, para captar os recursos necessários ao seu crescimento futuro junto dos futuros novos acionistas. “Vamos avançar para o spin-off da plataforma ‘mobi.me’ até março para abrir o seu capital aos investidores que apresentem o melhor perfil para apoiarem o seu crescimento”, revelou ao Expresso o presidente executivo do CEiiA, José Rui Felizardo.

Na apresentação pública da plataforma inteligente “mobi.me”, agora preparada para gerir o sistema de partilha de veículos elétricos — um evento que se realizou esta semana na cidade brasileira de Foz do Iguaçu, nas instalações do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), que funcionam no recinto da maior barragem do mundo que aproveita o caudal do rio Paraná —, José Felizardo explicou que o crescimento desta plataforma previsto para os próximos 18 meses implica que haja capacidade para investir de forma mais intensiva e isso justifica o spin-off.

“Só para 2017 prevemos um investimento de 10 milhões de dólares, pois esta plataforma vai passar a ser utilizada no Brasil numa área muito mais vasta que a atual”, diz o presidente do CEiiA, comentando que “atualmente já abrange a cidade de Curitiba, no Estado de Paraná, onde se pretende quantificar uma fatura única de mobilidade relativa aos modos do sistema da nova geração de mobilidade integrada, o sistema ecomóvel Brasília, da capital federal do Brasil, que gere uma rede inteligente de veículos elétricos e o Mob-I Itaipu, que vai avançar agora para a nova fase da partilha inteligente de veículos”.

“Ao todo, o ‘mobi.me’ já geriu em 2016 cerca de 20 milhões de transações, mas em 2017, com o crescimento previsto para o estado de Minas Gerais, onde há cerca de 800 municípios que são potenciais utilizadores, e para o estado do Paraná, onde há mais 300 municípios que poderão aderir, o total das transações geridas pela plataforma inteligente do ‘mobi.me’ deverá disparar para qualquer coisa como 100 milhões de referências, relativas a um universo de 20 milhões de utilizadores”, refere José Felizardo.

Neste processo de spin off da plataforma “mobi.me” estão a ser ponderadas pelo CEiiA três instituições (duas internacionais e uma portuguesa), que manifestaram interesse em conduzir este processo de seleção de investidores-acionistas e de levantamento de capital. Os mercados potenciais para captar estes investidores são a União Europeia, o continente americano e a Ásia.

“Temos de escolher a designação da futura empresa, que não deve ser confundida com a da plataforma ‘mobi.me’, mas ainda não tomámos uma decisão”, refere José Felizardo, explicando que os atuais acionistas do CEiiA — 70% privados e 30% IAPMEI — terão de tomar essas decisões em breve. Outra questão pendente no CEiiA é a urgência em aumentar a dimensão da sua estrutura. “Precisamos de ter mais pessoas a trabalhar e por isso teremos de triplicar o número de quadros, abrindo para este efeito novas instalações em Évora”, diz José Felizardo. De todas as unidades do CEiiA, a mais sofisticada será a de Cascais, que vai ser o primeiro município a nível mundial com um sistema de gestão de mobilidade que liga todas as funções existentes, integrando todos os serviços disponibilizados aos munícipes. “Cascais será a primeira zona do mundo que terá a mobilidade como uma utility”, revela o presidente do CEiiA.

Números

1100 é o número de municípios brasileiros dos estados do Paraná e de Minas Gerais que podem aderir ao sistema da plataforma de mobilidade inteligente do CEiiA que vai gerir frotas de carros elétricos partilhados

20 milhões de pessoas é o potencial 
do universo de novos utilizadores brasileiros da mobilidade partilhada durante 2017