Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Risco de pobreza afeta cada vez mais os idosos

O risco de pobreza diminuiu ligeiramente em 2015, mas continua a afetar 19% da população ,diz o INE.

Dezanove por cento da população, ou quase um em cada cinco portugueses vivia em risco de pobreza em 2015. A percentagem revelada pelo Inquérito às Condições de Vida e Rendimento do INE - Instituto Nacional de Estatística, está ligeiramente abaixo dos 19,5% de 2014 e combina realidades diferentes, com destaque para o agravamento do cenário entre os idosos.

No ano passado, diz o INE, 18,3% da população idosa era abrangida pela taxa de risco de pobreza, contra 17% no ano anterior. Entre os portugueses com menos de 18 anos, a percentagem era de 22,4%, 2,4 pontos percentuais abaixo de 2014. Nos desempregados (42%) e na população empregada (10,9%), as percentagens mantiveram-se estáveis.

"Em 2015, os riscos de pobreza mais elevados continuavam a registar-se nas famílias com dois adultos e três ou mais crianças dependentes e nas famílias com um adulto e pelo menos uma criança dependente (42,7% e 31,6%, respetivamente", destaca o INE.

A análise dos dados refere, também, que se manteve "uma forte desigualdade na distribuição de rendimentos".

Sobre 2016, o INE refere que "ha menos pessoas em privação material (19,5%, que compara com 21,5% em 2015) e em privação materiais severa (8,4%, que compara com 9,6% em 2015).

Relativamente aos apoios sociais, os números mostram que se o Estado não pagasse qualquer prestação social, 46,3% dos portugueses estariam em risco de pobreza em 2015.

A taxa de risco de pobreza correspondia, em 2015, à proporção de habitantes com rendimentos monetários líquidos inferirores a 5.268 euros anuais, ou 439 euros mensais.