Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Companhias aéreas deverão ter lucro de 35,6 mil milhões este ano. O maior até agora

Estimativas são da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) e foi revista em baixa face à previsão feita em junho. Mesmo assim, a confirmar-se será "o maior lucro absoluto gerado pela indústria aeronáutica"

As companhias aéreas deverão ter lucros de 35,6 mil milhões de dólares este ano (33,2 mil milhões de euros), abrandando ligeiramente para 29,8 mil milhões de dólares (27.2 mil milhões de euros) em 2017, segundo as estimativas da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

De acordo com o comunicado de imprensa divulgado esta quinta-feira em Genebra pela IATA, a estimativa de lucros para este ano foi ligeiramente revista em baixa face à previsão de 39,4 mil milhões (36,7 mil milhões de euros), feita em junho, devido ao abrandamento do crescimento económico mundial e ao aumento dos custos, mas representa, ainda assim, "o maior lucro absoluto gerado pela indústria aeronáutica".

Para o diretor-geral da IATA, Alexandre de Juniac, as "difíceis condições" do próximo ano, nomeadamente a previsível subida do preço do petróleo, deverão fazer abrandar os lucros, mas o valor perto dos 30 mil milhões de dólares (28 mil milhões de dólares), representa uma "aterragem suave e segura em território proveitoso".

A IATA antecipa que o preço médio do barril de petróleo aumente dos 44,6 dólares de média este ano, para 55 dólares no próximo ano, o que fará subir o preço do combustível dos aviões de 52,1 dólares por barril para 64,9 dólares no próximo ano.

Os combustíveis vão representar 18,7% dos custos estruturais desta indústria em 2017, o que é "significativamente abaixo" dos 33,2% que valiam em 2012 e 2013, antes da descida acentuada que se verificou a partir do verão de 2014.

Os últimos três anos têm sido os mais lucrativos para a indústria do transporte aéreo, lembra Alexandre de Juniac, salientando os riscos políticos, económicos e de segurança, e a "constante batalha pelo controlo dos custos numa indústria hiper-competitiva".

A confirmar-se a previsão de lucros na ordem dos 30 mil milhões no próximo ano, 2017 vai marcar o oitavo ano seguido de lucros nesta indústria, "ilustrando a resiliência aos choques que têm sido acomodados pela estrutura deste setor".