Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

China diz que Portugal tem "atitude mais aberta" a investimento e quer reforçar cooperação

O embaixador da China em Lisboa disse que Portugal tem "uma atitude mais aberta" ao investimento externo e que Pequim quer reforçar a cooperação com Lisboa e alargá-la a novas áreas, segundo um comunicado divulgado hoje em Macau.

"O embaixador Cai informou (...) sobre a situação atual das relações sino-portuguesas nos anos recentes, período em que o investimento das empresas chinesas em Portugal tem aumentado continuamente e, de facto, Portugal assume uma atitude mais aberta sobre o investimento externo em comparação com os países europeus, notando-se, assim, investimentos realizados nos sectores de energia, de saúde, de seguros e de serviços bancários", lê-se num comunicado sobre a visita do secretário da Economia e Finanças de Macau, Lionel Leong, a Lisboa, esta semana.

Segundo o mesmo texto, o embaixador Cai Run "espera que seja reforçada a cooperação entre as empresas portuguesas e os investidores chineses nas áreas de cooperação da capacidade produtiva, cooperação marítima, de empreendedorismo, de medicina tradicional chinesa, de turismo e de educação".

"Com a abertura de voos diretos entre os dois países nos meados do próximo ano, a cooperação e as ligações bilaterais serão mais estreitas", prossegue o comunicado, referindo-se às considerações do embaixador que, segundo o mesmo texto, "salientou o papel positivo de Macau nas relações sino-portuguesas".

Durante os dias em que esteve em Lisboa, entre 5 e 8 de dezembro, Lionel Leong e a delegação que o acompanhou reuniu-se ainda com três secretários de Estado do Governo português: João Vasconcelos (Indústria), Paulo Ferreira (Comércio) e Jorge Costa Oliveira (Internacionalização).

A visita a Lisboa visou "implementar os trabalhos definidos" no "memorando de entendimento para a promoção do empreendedorismo e da cooperação económica e empresarial" entre Portugal e Macau, assinado em outubro, durante a quinta conferência interministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum Macau).

No comunicado hoje divulgado, o Governo de Macau reitera o seu empenho "no reforço da cooperação luso-chinesa" através da "transformação de Macau numa plataforma de serviços financeiros entre a China e os países de língua portuguesa" e num "centro de liquidação de renminbi para os países lusófonos".

Nos encontros com os secretários de Estado, foram discutidos temas como o reforço do papel de Macau na entrada de produtos portugueses na China e acordada a criação de "grupos especializados para coordenar trabalhos relacionados", segundo o comunicado.

Os dois lados trocaram ainda informação sobre "o desenvolvimento das empresas 'startups'", tendo discutido "diretrizes futuras de cooperação".

Pequim atribui em 2003 a Macau o papel de ser a plataforma para a cooperação económica entre a China e os países lusófonos, tendo criado o Fórum Macau naquele ano.