Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal com poucas hipóteses de ter fábrica da Tesla

A Tesla só tem uma linha de montagem europeia 
na Holanda

Joseph White/REUTERS

Autoridades portuguesas não comentam negociações com a Tesla. Nem alimentam grandes expectativas

É “muito baixa” a probabilidade de Portugal receber a “gigafábrica” europeia do construtor californiano de veículos elétricos, Tesla. Esta é a avaliação feita ao Expresso por fontes que acompanham este processo, quer empresários quer organismos oficiais.

Depois do patrão da Tesla, Elon Musk, ter decidido avançar com uma grande fábrica de baterias no Estado norte-americano do Nevada, admitiu que a estratégia de mercado da sua marca para a Europa dependeria da realização de um grande investimento em solo europeu — da ordem dos 5000 milhões de dólares, para criar 6500 empregos diretos e 22 mil indiretos junto de fornecedores, para construir carros e fabricar baterias destinadas a abastecer as encomendas europeias.

A Galiza — segundo o jornal “Faro de Vigo” — foi uma das regiões que efetuaram contactos formais com a Tesla a manifestar interesse em captar este projeto. Além da Galiza, várias outras regiões europeias, com fortes clusters do sector automóvel, deram os mesmos passos. Entre as propostas mais fortes encontram-se França, Holanda (que já tem uma fábrica de montagem da Tesla) e vários países da Europa do Leste.

Portugal não ficou à margem desta manifestação de interesses e “houve contactos formais” — confirmaram ao Expresso fontes do sector — entre a Tesla e as autoridades portuguesas, mas o resultado desta abordagem “inicial” foi “empolada” nos jornais e nas redes sociais, reconhecem as mesmas fontes. “Os projetos da Tesla para Portugal podem ter uma dimensão diferente, que não chega a uma gigafábrica, mas é muito prematuro dizer especificamente quais são os seus objetivos”, comentou uma fonte que pediu o anonimato. Relativamente à produção industrial da Tesla, tudo indica que a fábrica gigante do Nevada terá capacidade para fornecer as baterias necessárias a produção de carros que a Tesla prevê efetuar nos próximos anos, abastecida pelo lítio oriundo da Austrália, do Chile, da Argentina, da China ou do Zimbabwe.

Mas em Portugal, entre os interessados em captar o investimento da Tesla encontram-se diversos municípios que têm, de uma forma ou de outra, tradição na atividade industrial de produção de componentes mecânicos. É o caso de Évora, Beja, Palmela, Torres Vedras, Aveiro, Viana do Castelo, Mangualde e Guarda.

André Marquet, um dos empresários que lançaram o projeto Beta-i — um acelerador de startups —, liderou a recente iniciativa de colocar no Facebook uma página de apoio à captação do projeto da Tesla para Portugal. “Bring Tesla Gigafactory to Portugal” é o nome da página que criou um grupo público a que já aderiram mais de 44.400 membros. André Marquet adianta que quer “realizar um debate público deste tema a 5 de dezembro, na Escola de Tecnologias Inovação e Criação (ETIC) em Lisboa”.

Os interessados

Há oito municípios em Portugal que manifestaram interesse em captar o investimento da Tesla: Évora, Beja, Palmela, Torres Vedras, Aveiro, Viana do Castelo, Mangualde e Guarda. Todos têm argumentos que garantem capacidade de integrar com sucesso o projeto.