Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Há uma nova aplicação para saber quais as bombas de gasolina com os preços mais baixos

Além de combustíveis, tem ainda dados sobre os vendedores e preços do gás de botija

Ana Baptista

Ana Baptista

Jornalista

D.R

Há uma nova aplicação para o telemóvel que permite saber quais os postos de combustíveis com os preços mais baixos. Chama-se Portugal Energia, é gratuita e neste momento já está diponível para os sistemas Android (link AQUI) e em breve estará também para Apple.

Além dos preços praticados para cada tipo de combustível, esta aplicação pemite selecionar as bombas pela localização, tipos de combustível que tem para venda, horários, marca ou serviços que disponibiliza - por exemplo, se tem loja ou se também vende gás de botija.

No total, estão carregados 2900 postos de combustível espalhados por todo o país, um número que a Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC), que lançou aplicação, diz ser a totalidade dos que existem no país.

Dá ainda para classificar com estrelas a qualidade dos postos e, através de um mapa com GPS, ver qual é o caminho para a bomba escolhida.

Além dos combustíveis, a Portugal Energia permite ter acesso às mesmas funcionalidades mas sobre o gás de botija - seja os preços mais baixos, a localização ou as marcas disponíveis.

No total estão registados 800 vendedores e revendedores e só não são mais ainda, diz a ENMC, porque as empresas que aparecem na aplicação são apenas as que estão registadas no Balcão Único deste organismo e, no caso das botijas de gás, só se podem registar as que vendem mais de mil garrafas por ano. Mas há muitas lojas que vendem muito menos.

Esta aplicação não é a única do género no mercado. A mais destacada é a do site Mais Gasolina, mas há outras, como a VivaGas ou a Gasol.

Em breve, a Portugal Energia deixará de ser apenas de combustíveis e gás de botija e passará a incluir dados sobre gás natural e eletricidade - neste caso, quais os comercializadores que existem no mercado, os planos tarifários e ainda simuladores.

Esta foi uma exigência do Governo, que participou ativamente no desenvolvimento desta aplicação, mesmo tendo decidido no final da semana passada extinguir a ENMC, a entidade que desenvolveu todo o processo.