Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portagens ‘condenam’ novo modelo da Peugeot-Citroën em Mangualde

Rui Duarte Silva

António Costa visita esta segunda-feira a fábrica da PSA em Mangualde, onde serão investidos 48 milhões de euros até 2018 num novo veículo. O problema é que será taxado como classe 2 nas portagens portuguesas, ‘condenando’ as suas vendas no mercado nacional

O novo investimento de 48 milhões de euros que o Grupo Peugeot-Citroën (PSA) concretiza até 2018 na fábrica de Manualde – que já conta com 54 anos de história – permitirá produzir o veículo sucessor das carrinhas Berlingo e Partner, a que o grupo francês dá o nome de código K9. No entanto, as suas vendas no mercado português arriscam-se a ser fortemente penalizadas porque deverá pagar portagens nas autoestradas nacionais na Classe 2, devido à altura da parte dianteira. A preocupação foi revelada ao Expresso por elementos do grupo automóvel francês, a propósito da visita oficial que o primeiro-ministro António Costafará esta manhã à fábrica de Mangualde.

Apesar de não haver uma posição formal das duas marcas francesas sobre a classificação do futuro modelo K9 para efeitos de pagamento de portagens em Portugal, a questão já tinha sido avaliada pela ACAP – Associação Automóvel de Portugal, juntamente com outros exemplos de veículos que são penalizados nas vendas em Portugal devido ao facto de pagarem portagens na Classe 2.

Com cerca de 730 efetivos, a fábrica da PSA em Mangualde fabricou 46.584 automóveis em 2015 e tem vindo a laborar em dois turnos de produção, com uma cadência de fabrico de 220 veículos por dia (esta unidade tem capacidade instalada para trabalhar com três turnos por dia). A sua faturação ascendeu a 397 milhões de euros em 2015 e exporta mais de 90% dos carros que fabrica, que são os modelos Citroën Berlingo e Peugeot Partner.

Com o objetivo de modernizar a fábrica de Mangualde, o Grupo PSA – cujo presidente-executivo é o português Carlos Tavares – decidiu investir 48 milhões de euros para permitir produzir o sucessor dos modelos Berlingo e Partner a partir de 2018.O novo modelo ainda só tem o nome de código de K9, não se sabendo se continuará a ter as designações de Berlingo e Partner, ou se serão escolhidos novos nomes.

Os atuais modelos integram-se no grupo dos veículos comerciais mais utilizados no mercado europeu e português para pequenos negócios, de pequenas e médias empresas, e até de empresários individuais, mas já se encontram em fim de vida, razão pela qual o Grupo PSA investe agora no lançamento dos seus sucessores.

O investimento no K9 é repartido entre a fábrica de Mangualde e a fábrica de Vigo e deverá, no caso português, ser acompanhado pela modernização da unidade dentro do programa Indústria 4.0, que prevê a robotização da fábrica e a adoção de um processo de produção automatizado e monitorizado por computadores.

De janeiro a outubro deste ano, a fábrica de Mangualde exportou 30.269 veículos (repartidos entre 15.463 Citroën Berlingo e 14.806 Peugeot Partner), o que significa que exporta cerca de 90% da sua produção total. O seu maior mercado de exportação é Espanha, para onde vendeu 13.487 veículos de janeiro a outubro de 2016, seguindo-se o mercado francês, com 7777 unidades vendidas no mesmo período. A esmagadora maioria das exportações da fábrica de Mangualde (97,7%) foram para a UE28, entre janeiro e outubro de 2016.