Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Gestão da Carris pela Câmara de Lisboa cria controvérsia nacional

Tiago Miranda

Contribuinte paga a dívida da Carris. Autarquia de Lisboa faz descontos nos bilhetes

O Executivo de António Costa quer fazer alterações radicais nos transportes públicos urbanos de Lisboa e do Porto a partir de janeiro de 2017. Em causa estão novos modelos de gestão para a Carris e para a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP). Mas a estratégia seguida em Lisboa parece ser mais polémica que a proposta para o Porto. Desde logo, pelas mudanças de propriedade e pelo tratamento dado à dívida das duas empresas. O Governo quer mudar para a Câmara Municipal de Lisboa (CML) a propriedade da Carris e a sua gestão — que já anunciou descontos nas tarifas a partir de janeiro —, deixando no Estado a dívida, que em 2016 ascende a €593,7 milhões, segundo o Ministério do Ambiente. No Porto, a gestão da STCP é entregue a seis municípios (Porto, Matosinhos, Gaia, Gondomar, Valongo e Maia, cabendo a presidência ao Porto), mas a propriedade mantém-se no Estado e a dívida, de €562,1 milhões em 2016, continua na STCP.

A solução para o Porto é politicamente aceite, sem polémica. No entanto, em Lisboa promete criar crispação parlamentar, atendendo à oposição do Partido Comunista, e ao facto de o vice-presidente da bancada do PSD, Luís Leite Ramos, ter referido ao Expresso que pretende convocar o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, e o presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), João Carvalho, para audições na Comissão de Economia do Parlamento. “É fundamental explicarem ao contribuinte como fica a Carris com estas alterações e quem paga a dívida e os investimentos em novos autocarros”, referiu Luís Leite Ramos.

Leia mais na edição deste fim de semana