Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Chineses da Fosun já são acionistas do BCP

Bobby Yip / Reuters

Grupo chinês fica para já com 16,7% do banco. Sonangol ainda aguarda autorização para ter mais de 20%

O grupo chinês Fosun, que em Portugal controla a seguradora Fidelidade e os hospitais da Luz Saúde, já entrou no capital do BCP. O novo acionista estratégico do banco liderado por Nuno Amado fica, para já, com 16,7%, um investimento que ascende a 175 milhões de euros. A informação foi comunicada este domingo de manhã pelo BCP à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A entrada da Fosun foi realizada através de uma oferta particular no capital do banco, já aprovada pelos acionistas em junho. Isso levou a um aumento do capital do BCP de 4.094.235.361,88 euros para 4.268.817.689,20 euros, através da colocação privada de 157.437.395 novas ações, com subscrição pela Fosun com um preço de subscrição de € 1,1089 por cada nova ação.

O grupo chinês mantém a intenção de chegar a 30% do capital do banco e já obteve para isso autorização do Banco Central Europeu (BCE), segundo apurou o Expresso. O investimento da Fosun é classificado como de longo prazo, já que o novo acionista não poderá vender esta participação durante três anos.

O Expresso sabe que o conselho de administração do BCP, onde estão representados os maiores acionistas de referência, aprovou de forma consensual e unânime a entrada da Fosun no banco.

A Fosun reagiu à concretização da operação através de um comunicado onde refere que se trata de "um passo importante para a consolidação da sua estratégia de internacionalização". O grupo refere que é "o início de uma jornada com vista a dotar o banco de condições que permitam tirar partido do seu enorme potencial". Diz também que dada a complexidade desta operação não era possível avançar sem "a enorme determinação da administração do BCP e o apoio dos acionistas de referência do banco ".

Neste contexto a Fosun sublinha "esta manifestação de boas-vindas através de um apoio ativo na formulação de propostas de valor para o robustecimento do Banco e desenvolvimento da sua estratégia de longo prazo".

A Sonangol, que é o maior acionista do BCP, com 17,84%, avançou já com um pedido junto do BCE para obter autorização para ultrapassar os 20%, aguardando ainda decisão. A ideia é haver um equilíbrio entre a participação angolana no banco e a posição chinesa que agora foi confirmada.

Equipa do BCP vai pedir para adiar votação sobre da blindagem

A administração do BCP vai voltar a pedir na assembleia geral de amanhã, dia 21 de novembro, o adiamento do único ponto que ficou suspenso na última AG de 9 de novembro. Em causa está a alteração da blindagem de estatutos de 20% para 30%, ficando os direitos de voto limitados a este novo patamar.

A votação deste ponto será retomada no dia 19 de dezembro. Esta proposta de novo adiamento que os acionistas irão votar deve-se ao facto da administração querer obter um consenso claro e inequívoco da limitação dos direitos de voto a 30%. Em causa poderá estar também o facto de a petrolífera angolana, a Sonangol, presidida por Isabel dos Santos, não ter ainda autorização para reforçar acima dos 20% do capital no BCP.