Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Renault investe €100 milhões em Cacia e bate número recorde de trabalhadores

Renault

O grupo automóvel francês vai renovar a fábrica de Cacia, em Aveiro, confirmando as expectativas da Comissão de Trabalhadores. Serão integrados 150 colaboradores no quadro, além dos 1200 existentes, e a unidade começará a produzir a nova caixa de velocidades do grupo em 2018

A Renault vai divulgar esta sexta-feira os investimentos necessários para modernizar a fábrica de Cacia, perto de Aveiro. O primeiro-ministro António Costa preside à cerimónia de divulgação do investimento.

Correspondendo às expectativas criadas à Comissão de Trabalhadores, o grupo automóvel francês vai integrar no quadro 150 trabalhadores que têm vindo a laborar sem vínculo efetivo, aumentando o número de efetivos para o máximo de sempre – atualmente cerca de 1200. O investimento total a concretizar deve ultrapassar os 100 milhões de euros e destina-se, sobretudo, à produção da nova caixa de velocidades do Grupo Renault, que começará a ser fabricada em 2018.

Cacia tem apresentado um dos melhores desempenhos registados em todas as unidades fabris do grupo francês, pelo que tem sido distinguida e tem recebido investimentos anuais da ordem das dezenas de milhares de euros, que atualizam os seus processos produtivos industriais.

Mas para 2017 o Grupo Renault quer ir além desses investimentos pontuais, tendo decidido concretizar uma modernização da fábrica que permitirá produzir a nova caixa de velocidades manual que vai equipar grande parte dos novos veículos do grupo a partir de 2018, cumprindo expectativas que tinham sido criadas à Comissão de Trabalhadores da unidade de Cacia.

A produção local continua a ter "grande potencial de exportação", como reconheceu publicamente a Comissão de Trabalhadores, fornecendo componentes para as principais fábricas que o Grupo Renault tem a produzir em vários continentes.

A laboração de Cacia até ao início da próxima década dependerá do crescimento de produção de grandes fábricas automóveis do Grupo Renault – que compram os componentes fabricados em Cacia – e do comportamento das vendas em mercados de dimensão gigantesca, como a Rússia, a Índia, a China e diversos mercados da América Latina.