Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Porto de Sines com recorde no movimento de carga

Nuno Botelho

Os portos portugueses do continente movimentaram 69,6 milhões de toneladas de janeiro a setembro - mais 3,7% em termos homólogos. Trata-se de um recorde absoluto e deve-se ao bom desempenho do porto de Sines

O crescimento da atividade portuária de Sines - dinamizado pelos segmentos de transporte de petróleo e de contentores - permitiu que o movimento de carga operado nos portos do continente, nos primeiros nove meses de 2016, batesse um recorde absoluto, revela a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

No relatório de setembro de acompanhamento do mercado portuário português, a AMT informa que o movimento da carga operada nos portos nacionais aumentou 2,5 milhões de toneladas de janeiro a setembro, o que corresponde a um crescimento de 3,7% face a igual período de 2015.

Assim, a carga movimentada nos portos portugueses atingiu "um total de 69,6 milhões de toneladas, que constitui o valor mais elevado de sempre dos períodos homólogos", diz o regulador portuário.

A AMT esclarece que este crescimento deve-se ao bom desempenho do porto de Sines, que, "com um apoio simbólico da Figueira da Foz, anula as quebras registadas nos outros portos".

Foi o aumento de 4,6 milhões de toneladas de carga operada no porto de Sines no período em análise - mais 13,9% em termos homólogos -, que "absorveu a diminuição de 2,1 milhões de toneladas dos restantes portos, com exceção da Figueira da Foz, que cresceu 1,2%, equivalente a 18,4 mil toneladas", refere a AMT.

As quedas registadas nos restantes portos do continente foram distribuídas de forma desigual, variando entre uma redução de 1,1% registada no porto de Leixões e uma queda de 44,6% em Faro. No porto de Viana de Castelo houve uma queda de 13,2%. No porto de Aveiro a redução foi de 9,6%, Setúbal caiu 2,7%, e Lisboa recuou 15,1%.

A AMT explica que "o comportamento de Leixões é parcialmente explicado pela circunstância de o Terminal Oceânico de Leixões estar totalmente paralisado desde março para manutenção em estaleiro da monoboia, facto que induz variações de sinais contrários nestes dois portos, uma vez que os navios de grande dimensão transportadores de petróleo bruto são impedidos de descarregar esta matéria prima fóssil diretamente neste porto, o que levou a que tivessem passado por Sines cerca de 1,7 milhões de toneladas posteriormente embarcadas para Leixões".

Esta situação também explica em parte o acréscimo do movimento de petróleo bruto em Sines da ordem dos 48,6% (correspondentes a mais 3,4 milhões de toneladas) e, ao mesmo tempo, a diminuição desta carga em Leixões, em cerca de 9,5% (equivalente a 0,3 milhões de toneladas).

"O porto de Faro está temporariamente sem qualquer movimento de carga pelo facto de a Cimpor - a sua única cliente, ter decidido interromper a atividade do Centro de Produção de Loulé, em resposta à contração do mercado da construção e a suspensão da importação de clínquer e cimento por parte da Argélia", refere a AMT, explicando que isso justifica "a quebra de movimentação de 44,6% registada e que se perspetiva que se continuará a agravar até ao final do ano".

Além disso, a AMT refere que o porto de Sines reforçou, "ainda que ligeiramente, a posição de líder, passando a representar 54,4% do total" movimentado nos portos do continente, seguido por Leixões com uma quota de 19,6% do total, de Lisboa que representa 10,6% e de Setúbal que reduz o seu peso para 8%.

Relativamente ao movimento de contentores registado nos portos do continente de janeiro a setembro, a AMT refere que totalizou 1,97 milhões de TEU (unidade padrão correspondente a um contentor de seis metros de comprimento), o que traduz um aumento de 0,3% face a igual período de 2015.

No mercado de contentores, medido em TEU, Sines cresceu 4,4%, Leixões aumentou 7%, a Figueira da Foz subiu 11% e Setúbal melhorou 38,7%. Em sentido contrário, o porto de Lisboa registou uma quebra de 28,5% (que, mesmo assim, recuperou da quebra de 30,9% sofrida no mês anterior.

No segmento da carga de contentores, o porto de Sines aumenta a posição de líder com uma quota de 54,1% do total de TEU movimentados, seguido por Leixões com 25,3%, Lisboa com 13,7% e Setúbal com 6,1%.