Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Propostas finais para a compra do Novo Banco até esta sexta-feira

A primeira tentativa de venda falhou e, nesta segunda ronda, não está fácil vender o banco que nasceu do fim do BES

José Carlos Carvalho

O prazo é válido tanto para os investidores estratégicos, como para aqueles que estão interessados na operação em mercado

Os candidatos à compra do Novo Banco podem apresentar propostas finais e melhoradas até às 17h desta sexta-feira, disse à agência Lusa fonte próxima do processo.

O prazo é válido tanto para os investidores estratégicos, como para aqueles que estão interessados na operação em mercado, segundo a informação recolhida junto de fontes do setor financeiro.

À venda direta apresentaram-se o BPI, o BCP, a Apollo Mangement e a Centerbridge e Lone Star, enquanto na opção de aumento de capital está interessado o China Minsheng Financial Holding, do grupo chinês Minsheng.

A 3 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de o banco ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado banco mau (‘bad bank’), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No ‘banco bom’, o banco de transição que foi chamado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.
Em dezembro do ano passado foram prolongadas as garantias estatais ao Novo Banco e a data limite para a sua venda foi estendida até agosto de 2017.