Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Descida do IVA nos restaurantes está a ajudar a criar emprego

Marcos Borga

Segundo a Secretaria de Estado do Turismo, foram criados 45 mil postos de trabalho no sector até setembro, mais de metade na restauração

A restauração gerou mais de metade dos postos de trabalho criados este ano no sector do turismo de janeiro a setembro, que ascendem a 45 mil novos empregos, segundo a Secretaria de Estado do Turismo, numa análise que tem por base os dados dos novos registos da Segurança Social.

Ao todo, os restaurantes foram responsávéis pela criação de 28 mil novos empregos até setembro – o que, para a Secretaria de Estado do Turismo, traduz um sinal que a descida do IVA de 23% para 13% está a ter impactos positivos ao nível da criação de emprego e "confiança dos empresários" neste sentido.

Os 45 mil postos de trabalho criados no turismo até setembro representam um aumento de 15% face aos primeiros nove meses do ano passado, de acordo com o total de novos registos na Segurança Social em CAE referentes à atividade turística.

No final de setembro, havia em Portugal 348.018 trabalhadores no sector do turismo, valor que compara com os 318.754 registos existentes em setembro do ano passado. O crescimento é particularmente expressivo nas empresas de animação turística (28,28%), alojamento (22,67%) e da restauração (12,85%).

A restauração, segundo a Secretaria de Estado do Turismo, continua a ser o maior empregador do sector do turismo, representando, segundo dados de setembro, 69% do total. O alojamento responde por 21% dos postos de trabalho e as agências de viagens por 4% do emprego.

Apesar do Algarve ser a região que mais cresce, com Faro a registar uma evolução de 58,35%, destaca-se a evolução dos Açores (com um crescimento de 21,88%), além de Leiria (de 18,09%) ou Beja (23,48%). Em Lisboa, o número de pessoas empregadas no turismo cresceu 9,71% nos primeiros nove meses do ano.

A Secretaria de Estado justifica o aumento do emprego na área da restauração com a descida do IVA de 23% para 13%. “Registou-se a criação de 28 mil empregos, o que também representa a confiança dos empresários”