Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

“Jornais e revistas estão subvalorizados”

Rob Norman, administrador digital do GroupM, líder mundial na gestão de compra de publicidade nos meios de comunicação

Alberto Frias

A imprensa e as revistas não contam tanto como deviam em termos publicitários por estarem subvalorizados pelo sector, sustenta Rob Norman, chief digital officer do GroupM, maior grupo mundial de planeamento e compra de espaço publicitário nos meios de comunicação, que veio a Portugal participar na conferência ‘NextM’, sobre comunicação, marketing e o futuro tecnológico

Que mensagens trouxe aos meios e aos anunciantes nacionais?
Tracei um cenário geral sobre a transferência macro no consumo de media, em que a publicidade já não tem um papel tão importante como teve com os media tradicionais, enquadrando com o crescimento do Netflix e do Amazon Prime e de outras televisões OTT (over-the-top) — difundidas na internet sem a necessidade de um operador para fazer a distribuição — e da sua capacidade, ao longo do tempo, de deteriorar as audiências. Depois falei do crescimento do Snapchat e do Facebook e como isso está a afetar os segmentos mais jovens das audiências.

Qual é a sua visão sobre isso?
De certa forma foi uma resposta a uma palestra de Scott Galloway em Nova Iorque, que é professor na New York University Stern School of Business, com o tema ‘A morte do complexo industrial publicitário’. No seu discurso diz que se as audiências dos meios de comunicação passivos e de massas caírem, as marcas que se construíram com essas grandes audiências podem sofrer no futuro e ficarem facilmente expostas à concorrência das marcas mais pequenas.

Como é que os media de massas podem e devem lidar com isso?
É possível extrair valor, de forma eficiente, da televisão, da imprensa, do outdoor e da rádio. Sou fascinado com a digitalização da publicidade exterior e de serviços streaming como o Pandora. No pensamento sobre o digital, ainda se tem de fazer um longo caminho, ainda não se está a avaliar convenientemente o valor que se pode extrair dos meios.

Leia mais na edição deste fim de semana.