Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Prémio de risco desce para Portugal e sobe para Itália

A semana saldou-se por uma descida dos juros da dívida portuguesa a 10 anos para 3,19% e um recuo do risco. Em contraste com Itália, onde os juros naquele prazo foram os únicos a subir entre os periféricos e o prémio se agravou. Decisão da DBRS terminou stresse do corte de rating e do segundo resgate a Portugal

Jorge Nascimento Rodrigues

As yields das Obrigações do Tesouro português (OT) no prazo de referência a 10 anos fecharam a semana caindo para 3,19% no mercado secundário da dívida soberana, um recuo de 11 pontos base em relação ao valor registado há uma semana. Foi a maior descida entre os periféricos do euro.

O prémio de risco da dívida portuguesa desceu para 319 pontos base – o equivalente a 3,19 pontos percentuais acima do custo de financiamento da dívida alemã a 10 anos que serve de referência. Saldou-se por um recuo de nove pontos base em relação a 14 de outubro.

Fruto do desanuviamento, a rentabilidade de toda a dívida obrigacionista portuguesa melhorou, ainda que continue em terreno negativo. O retorno desde o início do ano melhorou de -0,3% a 7 de outubro para -0,89% a 21 de outubro, com base no índice da Bloomberg. O índice de preços caiu abruptamente entre 15 de agosto e 7 de outubro, inversamente à trajetória das yields no mercado secundário, que subiram entre um mínimo do ano e um máximo dos últimos oito meses, naquele período.

Portugal continua a ser o único membro do euro com uma rentabilidade negativa desde início do ano de 2016 e, também, num horizonte de 52 semanas (neste caso, está em -0,96%). A rentabilidade média na zona euro é de 5,3%, medida desde início do ano.

O stresse de um corte de rating da dívida portuguesa de longo prazo para nível especulativo, vulgo ‘lixo financeiro’, não se concretizou. A agência canadiana DBRS manteve na sexta-feira a notação de investimento e a ‘tendência’ estável para a dívida portuguesa.

O consenso dos analistas durante a semana apontava para esta decisão. Alguns analistas, como os do Commerzbank, previam uma alteração da ‘tendência’ para negativa, mas nem isso se materializou.

Pouco antes do anúncio da decisão da DBRS, a Agência de Gestão da Dívida Pública e da Tesouraria (IGCP) anunciou um leilão de obrigações a 5 anos para a próxima quarta-feira. Um sinal claro do IGCP, aguardado pelos investidores, do prosseguimento da estratégia preventiva de garantir até final do ano uma almofada financeira para o ano seguinte, uma precaução ainda recentemente elogiada pelo Fundo Monetário Internacional.

Stresse teve um impacto de quase 1 ponto percentual

Desde setembro que houve um recrudescimento da especulação em torno de um corte de notação para ‘lixo financeiro’ da dívida portuguesa e da possibilidade de um segundo resgate a Portugal.

Esse stresse provocou, no prazo de referência das OT, a 10 anos, uma subida das yields de um mínimo do ano, de 2,7% em meados de agosto, para um pico de oito meses a 7 de outubro, com o custo a subir para 3,6%. Nessa data, juntou-se o impacto da especulação em torno da possibilidade de uma paragem súbita do programa de compras do Banco Central Europeu ou de uma antecipação da sua redução gradual antes mesmo de março de 2017 (data prevista para a sua conclusão, se não for estendida já na reunião de 8 de dezembro). Mario Draghi, o presidente do BCE, considerou essa especulação como baseada em “comentários aleatórios de quem não tem nenhuma pista ou informação”.

Os analistas aguardam, agora, os resultados do leilão da próxima quarta-feira e o seu impacto no comportamento das yields da dívida obrigacionista portuguesa no mercado secundário.

Itália no foco da atenção dos analistas

O custo de financiamento da dívida de longo prazo italiana e o prémio de risco do país subiram esta semana.

As yields das obrigações italianas a 10 anos subiram de 1,38% a 14 de outubro para 1,45% a 21 de outubro. Em uma semana aumentaram sete pontos base, a única subida entre os periféricos do euro, contra uma descida de 11 pontos base para Portugal, de seis pontos base para a Irlanda, e de quatro pontos base para a Grécia. No caso de Espanha mantiveram-se em 1,14%. Quanto ao prémio de risco italiano subiu de 142 pontos base para 145 pontos base naquele período.

A agência de notação Fitch decidiu na sexta-feira cortar a perspetiva da dívida italiana de estável para negativa. Manteve o rating em BBB+, a melhor notação no grau médio inferior da escala de notações, uma classificação superior à que é atribuída pela Moody's (BBB) e pela S&P (BBB-, apenas um nível acima de especulativo).

Os analistas chamam a atenção para a continuação do problema do crédito malparado e para um crescimento económico que, depois da recessão de 2014, continua abaixo de 1%.

Anteveem uma discussão ‘quente’ na Comissão Europeia (CE) em torno do ‘rascunho’ do Orçamento do Estado para 2017 apresentado pelo governo de Matteo Renzi e sublinham os riscos políticos do referendo sobre matérias constitucionais marcado para 4 de dezembro.

O primeiro ministro Renzi já declarou que não fará alterações às metas orçamentais mesmo que Bruxelas coloque objeções. A CE pretende que o défice orçamental italiano desça para 1,7% do PIB em 2017; Renzi pretende descer apenas uma décima em relação a 2016. A meta para 2017 é 2,3% do PIB, quando se tinha comprometido anteriormente com 1,8%. As regras atuais obrigam que o défice orçamental estrutural se encolha 0,5% do PIB por ano até se atingir um défice 0% ou excedente, o que exigiria que descesse para menos de 1% do PIB em 2017. Renzi aponta para uma subida de 1,2% em 2016 para 1,6% no próximo ano. Duas das medidas fundamentais expasionitas da equipa de Renzi para 2017 são uma subida em 7 mil milhões de euros do orçamento para as reformas e pensões e uma descida do IRC de 27,5% para 24%.