Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BCE desfaz rumor de antecipação da redução do QE

O Banco Central Europeu decidiu na sua reunião desta quinta-feira manter o quadro de política monetária, reafirmando que o programa de compra de ativos se manterá até março de 2017 sem alterações. Atenções viram-se para conferência de imprensa de Draghi às 13h30

Jorge Nascimento Rodrigues

O Banco Central Europeu (BCE), na reunião desta quinta-feira, decidiu manter o quadro de política monetária. As taxas de juro mantêm-se em 0% (taxa de referência), 0,25% (cedência de liquidez) e -0.40% (taxa, negativa, de remuneração de depósitos), e, segundo o comunicado, "deverão permanecer nos níveis atuais ou em níveis inferiores durante um período alargado e muito para além do horizonte das compras líquidas de ativos [do programa de quantitative easing, QE].

Sobre o QE, o BCE coloca um ponto final nos rumores lançados no início de outubro que provocaram sobressalto no mercado da dívida e nas bolsas. O BCE confirma que as aquisições mensais de ativos no montante de €80 mil milhões deverão decorrer "até final de março de 2017, ou até mais tarde, se necessário, e, em qualquer caso, até que o Conselho do BCE considere que se verifica um ajustamento sustentado da trajetória de inflação, compatível com o seu objetivo para a inflação [de 2%]".

O rumor que o BCE pretenderia realizar uma antecipação da desativação do QE, iniciando uma redução mensal de €10 mil milhões mesmo antes de março de 2017, provocou um stresse elevado na dívida púbica da zona euro - em Portugal, os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos subiram para 3,6% a 7 de outubro, um máximo desde fevereiro - e um efeito negativo nas bolsas, que perderam 1,1% à escala mundial naquela semana.

As atenções viram-se, agora, para a conferência de imprensa de Mario Draghi, o presidente do BCE, pelas 13h30 (hora de Portugal).

  • O Banco Central Europeu decidiu adiar para a próxima reunião a 8 de dezembro decisões sobre o futuro do programa de quantitative easing (QE), mas "não está na ideia de ninguém" na equipa de Mario Draghi advogar uma paragem súbita em março de 2017 das compras de ativos

  • Os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos desceram para 3,16%, o nível mais baixo desde o início de setembro. A uma hora do início da conferência de imprensa de Mario Draghi, presidente do BCE, prossegue a queda dos juros desde o pico recente de 7 de outubro