Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Inflação sobe nos EUA para máximo de dois anos e dá gás a Wall Street

  • 333

A inflação anual em setembro nos Estados Unidos registou 1,5%, dentro das previsões, e prosseguindo a tendência de subida desde junho de 2015. Junta-se às subidas na Zona Euro e no Reino Unido. Bolsas de Nova Iorque abrem esta terça-feira no verde

Jorge Nascimento Rodrigues

A inflação anual em setembro nos Estados Unidos registou uma subida para 1,5%, confirmando as previsões, e reforçando a trajetória de aumento da taxa de variação de preços no consumidor desde junho de 2015. Uma inflação de 1,5% é um máximo de dois anos, depois de 1,7% em setembro e outubro de 2014. Em julho a inflação havia registado 0,8% e em agosto 1,1%.

A subida da inflação em setembro nos EUA junta-se aos aumentos verificados no mesmo mês na Zona Euro (de 0,2% em julho e agosto para 0,4%) e no Reino Unido (de 0,6% em julho e agosto para 1%). A situação crítica mantem-se no Japão, que em agosto se mantinha em deflação, com uma inflação negativa de -0,5%, a mais baixa desde março. As previsões para setembro apontam para -0,3%, mas só a 27 de outubro se saberá.

As bolsas de Nova Iorque abriram no verde, como já indiciavam os futuros dos principais índices. O Dow Jones 30 iniciou a sessão com ganhos de 0,32%. O S&P 500 abriu a subir 0,88%. O Nasdaq (da bolsa das tecnológicas) avançava 1,07% na abertura.

A Ásia Pacífico fechou esta terça-feira em terreno positivo e na Europa os índices negoceiam no verde, com o Eurostoxx 50 – das cinquenta principais cotadas da zona euro – a avançar 1,5%. Em Lisboa, o índice PSI 20 segue a trajetória europeia, com uma subida próxima de 1,5%.

As bolsas mundiais fecharam na segunda-feira em queda, com o índice MSCI global a recuar 0,34%. A maior queda registou-se na Europa, com o índice MSCI respetivo a perder 0,86%. O mês de outubro continua no vermelho, com as bolsas mundiais a perderem mais de 2%. A maior queda regista-se na Europa, com uma descida de 3,6%.

  • Depois das bolsas mundiais terem perdido 1,2% na semana passada e 0,3% na sessão de segunda-feira, o mercado inverteu esta terça-feira a trajetória vermelha. A inflação anual na zona euro e no Reino Unido subiu em setembro