Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fatura do IRS será mais baixa

Redução da sobretaxa resulta em menos IRS exigido às famílias em 2017. As retenções na fonte deste imposto adicional serão eliminadas faseadamente

A sobretaxa do IRS não acaba integralmente em 2017, mas os seus valores serão menores e isso resulta em menos IRS que as famílias terão que pagar. Segundo o Orçamento do Estado para 2017, todos os portugueses que, no próximo ano, ganhem mais de 7091 euros brutos por ano (506,5 euros por mês, fazendo contas a 14 meses) voltam a pagar este adicional.
Porém, há reduções nas taxas aplicadas: entre os 7091 e os 20.261 euros de rendimento bruto, o Governo quer cobrar 0,25%; entre os 20.261 e os 40.522 euros serão 0,88%; de seguida, passa-se aos 2,25%, entre os 40.522 e os 80.640 euros; e, no máximo, a sobretaxa será de 3,21%, a partir dos 80.640 euros.

Efeito na retenção na fonte

As retenções na fonte (imposto que é adiantado ao Estado durante o ano) por conta da sobretaxa serão eliminadas gradualmente ao longo do ano, conforme o nível de rendimento de cada contribuinte. O efeito positivo será sentido primeiro por quem ganha menos, pois logo em março acaba esta retenção na fonte para os contribuintes do intervalo dos 7091 aos 20.261 euros. Seguem-se junho e setembro para os dois patamares seguintes, respetivamente, e só em novembro é que quem está no último escalão do IRS deixa de reter na fonte por causa da sobretaxa.

As contas da consultora EY feitas para o Expresso refletem esta descida generalizada da fatura do IRS, sobretudo por causa do impacto da diminuição da sobretaxa (embora a atualização dos escalões tenha algum reflexo positivo). “Para todos os cenários analisados, há uma diminuição do IRS a pagar e um consequente aumento do rendimento líquido disponível”, comenta Anabela Silva, partner da EY, acrescentando que “dado que não houve alterações nas deduções aplicáveis aos dependentes, essa redução é independente do número de dependentes do agregado familiar”.

A especialista em IRS salienta que “a redução mais substancial advém da redução da sobretaxa, já que a decorrente das alterações nos escalões é marginal”. No que respeita à poupança no IRS, tende a aumentar nos vários cenários simulados até aos 5 mil euros de rendimento bruto por mês, havendo uma inversão quando se passa deste patamar para um cenário de 10 mil euros, “já que para este escalão a redução na sobretaxa foi inferior à que se verificou nos restantes”.

Mantêm-se os cinco escalões de IRS, que são atualizados em 0,8%, abaixo da previsão da inflação no próximo ano (1,5%). Também permanecem as taxas de solidariedade de 2,5% para rendimentos entre os 80 mil e os 250 mil euros e de 5% acima deste último nível.