Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Assunção Cristas: “Abriu a caça ao contribuinte”

  • 333

António Cotrim

Presidente do CDS-PP afirmoa que há na proposta do Orçamento “uma grande imaginação do Governo, a procurar chegar a todo lado, indo buscar dinheiro a todo o lado”

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, afirmou esta sexta-feira que abriu a caça ao contribuinte, com o Governo "a ir buscar dinheiro a todo lado" em impostos, na proposta para o Orçamento do Estado de 2017.

A líder centrista falava em Bragança, à entrada para uma cerimónia diocesana em que proferiu uma oração de sapiência, e aproveitou a importância do setor da caça no Nordeste Transmontano para ilustrar a análise que faz do documento com um anunciado imposto sobre os cartuchos dos caçadores.

"Estamos aqui em Bragança, no Nordeste Transmontano, onde a caça é relevante, de facto parece que abriu a época da caça ao contribuinte, porque todos os impostos ou foram mexidos ou foram agravados ou foram criados novos impostos", declarou aos jornalistas.

Enquanto o ministro das Finanças, Mário Centeno, apresentava a proposta do Governo, a presidente do CDS-PP viajava de Lisboa para Bragança, pelo que ressalvou que ainda não tinha tido "oportunidade sequer de acompanhar no detalhe esta apresentação" e afirmou que "certamente que o CDS ainda esta sexta-feira fará uma reação breve", mas que "depois é preciso estudar com atenção o documento para uma reação mais profunda".

Ainda assim, daquilo que ouviu durante a viagem, através da rádio e na Comunicação Social online, concluiu que o país continua "de facto, numa austeridade "à la esquerda". Exemplificou com as promessas de eliminação da sobretaxa, que entende que "não têm reflexo neste Orçamento".
"O que há é uma manutenção da sobretaxa do IRS ao longo de todo o ano, embora haja uma diminuição pequena da taxa da sobretaxa, que depois tem reflexo na diminuição das retenções na fonte, mas as pessoas, de facto, vão pagar esse imposto durante todo o ano", afirmou.

Assunção Cristas não só não vê "um virar de página", como vislumbra nas medidas propostas pelo Governo um propósito eleitoral. "É curioso verificarmos que com estas medidas - eu referi a questão da sobretaxa que se mantém, mas que a dada altura começa a ter reflexos nas retenções na fonte - parece que estamos a falar de um calendário também eleitoral já a pensar nas Autarquias e isso, naturalmente, não nos deixa descansados, porque o histórico nessa matéria, e relembro o aumento da Função Pública em 2009, não deram bom resultado", concretizou.

O Governo apresentou hoje a proposta de Orçamento do Estado de 2017, que prevê um crescimento económico de 1,5%, um défice de 1,6% do PIB, uma inflação de 1,5% e uma taxa de desemprego de 10,3%.

Para este ano, o executivo liderado por António Costa piorou as estimativas, esperando agora um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2,4% do PIB.