Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

FMI garante estar empenhado num crescimento mais equilibrado e inclusivo

  • 333

Fundo Monetário Internacional

José Carlos Carvalho

O Fundo Monetário Internacional mostra-se preocupado com a persistência das baixas taxas de crescimento e exorta os países a promover as medidas necessárias para estimular a economia

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

“Reforçamos o nosso compromisso com um crescimento forte, sustentável, inclusivo, criador de emprego e mais equilibrado”. A mensagem vem do Fundo Monetário Internacional (FMI), que este sábado reuniu em Washington o seu comité financeiro e monetário, numa reunião pautada pela preocupação com o baixo crescimento económico global.

“Usaremos todos os instrumentos - reformas estruturais e política orçamental e monetária - tanto individualmente como coletivamente. Estamos a fortalecer políticas para aumentar a confiança e a resiliência, salvaguardar a estabilidade financeira e assegurar que todos os membros da sociedade têm a oportunidade de beneficiar da globalização e da mudança tecnológica”, refere o comunicado do FMI.

Na sua mensagem, o Fundo encoraja os países mais atingidos nas suas balanças comerciais a avançar com ajustamentos nas suas políticas. O FMI sublinha ainda ser importante “resistir a todas as formas de protecionismo”.

O Fundo nota que “a recuperação económica global continua lenta” e a economia deverá ter apenas um crescimento ligeiro no próximo ano, graças às perspetivas positivas nos mercados emergentes. O FMI está preocupado com o abrandamento no comércio global, no investimento e na produtividade e com a crescente incerteza geopolítica.

“O persistente crescimento baixo evidenciou as fragilidades estruturais e ameaça refrear o potencial de crescimento e as perspetivas de inclusão”, refere a mesma fonte.

Na mensagem veiculada este sábado, são apontadas cinco grandes prioridades: uma política orçamental amiga do crescimento, uma política monetária atenta à conjuntura, reformas estruturais, medidas que efetivamente resolvam os problemas do sector financeiro e uma cooperação global mais forte.