Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Reforma aos 36 anos? Sim, no México é possível

  • 333

A diretora de um município mexicano vai reformar-se com 900 euros por mês, após 15 anos de serviço

É, porventura, o sonho de qualquer trabalhador. Reformar-se sem doença aos 36 anos, após 15 anos de descontos e com uma pensão acima dos mil dólares (900 euros) - 55% do último salário.

Em que zona do mundo se verifica tal milagre? No norte do México, na cidade de Ciudad Juarez. E a felizarda é Lizbeth Alonso Carreon, diretora do serviço de audiências públicas do município local.

Conta o "El País" que Lizbeth Alonso está a passo de beneficiar deste raro privilégio, depois de pedir a reforma antecipada que o município confere após 15 anos de serviço. Um "verdadeiro mimo num país onde apenas 50% das pessoas com mais de 65 anos recebe esse benefício, de acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento", escreve o "El País".

A pista política

O regulamento das reformas, negociado entre o município local e o sindicato, admite a reforma após 15 anos de serviço e uma pensão de 55% do último salário. No caso de Lizbeth, o valor será 1.092 dólares. O departamento de pessoal do município já deferiu o pedido, falta a aprovação do prefeito.

A controvérsia não reside apenas na tenra idade da funcionária. Lizbeth participou - e perdeu - como candidata do Partido Revolucionário Institucional (PRI) para o Congresso.

"Não tenho medo de ser demitida, é um direito que me assiste e que já foi utilizado por mais de 500 funcionários", defende-se Lizbeth. O funcionário reformado pode depois acumular com outro emprego - que pode até ser no mesmo serviço público.

O tema das reformas antecipadas não é novo em Ciudad Juarez, cidade perto da fronteira com os Estados Unidos. O aumento da violência levou a que as reformas antecipadas entre os polícias disparassem. Depois, outros funcionários seguiram o exemplo, afetando a saúde das finanças municipais.

No México, a despesa pública com pensões representa 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB), abaixo da média da região. A maioria atinge a reforma após os 60 anos e recebe pensões inferiores a 100 dólares mensais.