Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Poupe centenas de euros em eletrodomésticos

  • 333

getty

Há lojas no mercado tradicional que vendem aparelhos com descontos de 100, 200, 300 e até mais de 500 euros. Trata-se de eletrodomésticos com “defeitos”, como um risco, uma pequena mossa ou, em muitos casos, cuja caixa em que vinha embalado se estragou

Pedro Andersson/SIC

Até hoje, tenho comprado a maioria dos meus eletrodomésticos no mercado tradicional. À exceção daquela promoções “bombásticas” de determinados aparelhos, as lojas de bairro ainda conseguem acompanhar e bater muitas vezes os preços dos eletrodomésticos nas grandes superfícies. Não têm tantos empregados, não gastam tanto em publicidade e não têm tantos armazéns. Logo, podem fazer preços mais baixos.

O que eu não conhecia é que há lojas (dentro do mercado tradicional) que têm um conceito em que ainda conseguem baixar mais os preços até atingirem descontos de 100, 200, 300 e até mais de 500 euros em eletrodomésticos topo de gama e muito caros.

Por exemplo, numa loja na Amadora, um frigorífico americano (aqueles com duas portas e uma série de extras) está a venda por menos 540 euros que nas grandes superfícies (confirmei). Porquê? A resposta surpreendeu-me. Apenas porque já não tem a caixa de cartão.

Descobri assim, por mero acaso, um conceito de loja que já existe em Portugal há quase 20 anos. São as lojas de eletrodomésticos com pequenos defeitos estéticos.

Confesso que se ouvisse esta descrição apenas assim, provavelmente nem sequer entraria na loja. Apesar de tudo, tenho, como muitas outras pessoas, um certo preconceito em relação a produtos com defeito. Felizmente, posso comprar produtos sem defeitos. Mas a minha visita mudou completamente qualquer ideia preconcebida que tivesse.

É verdade que alguns aparelhos têm pequenos defeitos (uma arranhadela aqui ou uma amolgadela na parte de trás da máquina) mas na maior parte dos casos o “defeito” que têm é ter o esferovite partido ou a caixa rasgada. São máquinas que ficaram danificadas durante o transporte para as grandes lojas, ou que as marcas já não querem vender por algum motivo.

Vi paletes de pequenos aparelhos, por exemplo aspiradores, em que os dois de lado foram apertados pela empilhadora, mas todos foram devolvidos pela empresa que os encomendou - e agora estão à venda nestas lojas, porque a grande superfície devolveu a palete inteira.

Noutros casos, o único defeito é a marca ter mudado o nome do aparelho e não esteve para ter o trabalho de mudar os autocolantes. Ou então entraram em fim de linha, a empresa começou a produzir um novo modelo e precisavam de espaço nos armazéns e por isso despacharam dezenas de modelos em perfeito estado. Encontrei por exemplo exaustores absolutamente impecáveis, na caixa e tudo, com 80% de desconto.

E não pense que estas lojas são para “pobres”. São máquinas topo de gama e com produtos muito específicos, como por exemplo garrafeiras e equipamentos profissionais. Há de tudo. Só tem de procurar.

Há poucas lojas destas no país. Consegui descobrir na internet algumas e tenho a lista delas disponível AQUI.

Se estiver interessado em procurar um determinado tipo de eletrodoméstico nestas lojas, terá de as visitar e ver o que têm disponível na altura. Pode encontrar ou não e pode até encontrar o mesmo modelo com preços diferentes, conforme o tipo de “defeito” que tiver. Há defeitos que são visíveis e defeitos que, no meu entender, nem sequer existem. Mas o que para mim pode ser um impedimento de compra, para si pode não ser, e vice-versa.

A garantia destes produtos é exatamente igual à das lojas tradicionais (2 ou 4 anos) e as entregas e instalação (num raio de 40 km) são grátis. Mas confirme loja a loja.

Portanto, a dica é: da próxima vez que vir na rua uma loja que diga “equipamentos com defeitos estéticos” não tenha vergonha de entrar. Pode ter uma agradável surpresa.

O que eu sei é que da próxima vez que eu precisar comprar um eletrodoméstico, não comprarei sem primeiro passar por uma destas lojas. Por exemplo, pelo preço que paguei pela máquina de lavar roupa “normal” que tenho em casa podia ter uma topo de gama que custa normalmente 800 euros nas grandes superfícies. O defeito dela? Não tinha a caixa de cartão... A primeira coisa que deitaria fora assim que os senhores da entrega se fossem embora. Certo?