Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Como €110 milhões vão mudar o Colombo

  • 333

O Colombo ganha 17 mil metros quadrados e uma nova torre de escritórios mais baixa e estreita

José Carlos Carvalho

Depois dos centros comerciais, a Sonae Sierra vai estrear-se no segmento da habitação

A Sonae Sierra estima investir €110 milhões para renovar o complexo do Centro Colombo, em Lisboa. O melhor conceito para a expansão do centro comercial em 17 mil metros quadrados ainda está em fase de estudo, mas a empresa já garantiu a aprovação do Pedido de Informação Prévia e vai avançar com o processo de licenciamento da obra que dará ao Colombo uma terceira torre de escritórios, mais baixa e estreita do que as duas já existentes.

É uma obra enquadrada no plano de renovação e expansão de ativos da empresa, que avançará, em 2017, com a ampliação do NorteShopping, no Porto, e assume estar pronta a alargar os horizontes do negócio para assumir uma nova vocação e começar a fazer casas. A estreia poderá ser na cidade alemã de Nuremberga, onde a Sonae Sierra, que sempre se apresentou como “especialista em centros comerciais”, comprou a antiga sede da Quelle em leilão, no âmbito do processo de insolvência do grupo de vendas por catálogo.

Esta aquisição de uma área de 250 mil metros quadrados por €16,8 milhões foi o primeiro passo do investimento num complexo que inclui retalho, habitação e escritórios. A trabalhar no financiamento do projeto, em fase de licenciamento, a empresa espera arrancar com a construção no próximo ano e criar, aqui, um marco na sua história. “É um novo desafio na nossa estratégia, mas achamos que faz sentido trabalhar em projetos de reurbanização em mercados maduros e ter competências múltiplas, na área residencial como nos escritórios e no retalho”, assume Fernando Guedes de Oliveira, presidente da Sonae Sierra, convicto da capacidade da empresa para dar o salto “para passar a fazer um mix de projetos”.
“As oportunidades vão estar aí”, sublinha o gestor, admitindo que a sua equipa “tem algumas competências para entrar nesses negócios, pode adquirir competências que não tem neste momento e trabalhar em parcerias”.

Com um plano de investimentos de dois mil milhões de euros em cinco anos em novos projetos, do Brasil à Colômbia e Marrocos, entre outros destinos, a empresa está já ligada, em Itália, a uma parceria com a Generali Real Estate em que entra precisamente com as suas competências de desenvolvimento e gestão de centros comerciais no complexo City Life, em Milão, apresentado como “um dos maiores projetos de requalificação urbana e multiusos em Itália e na Europa”. No espaço previamente ocupado pela antiga “Fiera Milano”, este complexo inclui, também, três arranha-céus destinados a escritórios e uma vertente de habitação, com 530 residências, além da área comercial, a abrir em 2017.