Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fantasma alemão ensombra Wall Street

  • 333

As bolsas de Nova Iorque encerraram esta quinta-feira com uma queda de cerca de 1%. Apesar da animação com a subida do preço do petróleo, as ações do Deutsche Bank afundaram 6,7% em Wall Street e o índice do sector financeiro perdeu 1,5%

Jorge Nascimento Rodrigues

Wall Street e Nasdaq acabam por fechar no vermelho. Esta quinta-feira, o índice Dow Jones 30 perdeu 1,07% e o S&P 500 recuou 0,85%. O índice geral do Nasdaq (bolsa das tecnológicas) desceu 0,93%. O índice MSCI para o conjunto das bolsas de Nova Iorque perdeu 0,94% e regista uma queda de 0,6% durante a semana.

A volatilidade da bolsa, medida pelo índice VIX relativo ao S&P 500, subiu 15,25%. A situação dos principais bancos alemães pairou sobre a praça de Nova Iorque. No New York Stock Exchange (NYSE), as ações do Deutsche Bank chegaram a afundar-se 9,1% e fecharam com uma perda de 6.7%. O mercado foi abalado pela notícia da Bloomberg de que 10 fundos de alto risco reduziram a sua exposição ao gigante alemão.

O índice para o sector financeiro, o S&P 500 Financial Index, perdeu 1,49%.

A subida de 2% do preço do barril de petróleo de Brent não conseguiu neutralizar a crise da banca alemã e o seu contágio para Wall Street. O preço do Brent fechou em 49,70 dólares e já subiu 8% em dois dias consecutivos em virtude do impacto positivo do acordo de fixação de um teto de produção mensal na reunião informal da OPEP em Argel na quarta-feira.

A crise do Deutsche Bank provocou o segundo pior dia de setembro no dia 26 na Europa (com o índice MSCI para a região a cair 1,15%) e no dia 29 nos EUA (com o índice MSCI respetivo a perder 0,94%).

Em virtude do contágio do stresse no principal banco alemão, as bolsas mundiais já perderam esta semana 0,6%.

Queda do Commerzbank em Frankfurt

As bolsas europeias acabaram por fechar ‘mistas’, com duas importantes praças, Frankfurt e Zurique, a encerrarem em terreno negativo. O índice Eurostoxx 50, das cinquenta principais cotadas na zona euro, fechou ligeiramente abaixo da linha de água e o índice MSCI para a Europa ganhou 0,53%.

O índice DAX alemão perdeu 0,3% esta quinta-feira. A liderar as quedas na praça germânica esteve o Commerzbank, cujas ações perderam esta quinta-feira 3,1%, e já caíram 8,1% durante a semana.

O Deutsche Bank (DB), que esteve em foco na segunda e terça-feira tendo perdido, então, 7,5% na bolsa de Frankfurt, recuperou 3% nas duas sessões seguintes. A perda semanal do maior banco alemão é de 6,6%. O DB é considerado pelo Fundo Monetário Internacional o banco de maior risco sistémico à escala mundial.

Segundo analistas alemães, a crise do DB e do Commerzbank coloca problemas complexos de gestão política por parte do governo da chanceler Angela Merkel. O ministério das Finanças alemão desmentiu notícias de que o governo federal estaria a preparar um plano de resgate.

A bolsa de Londres liderou as subidas nas principais bolsas europeias, com o FTSE 100 a registar um ganho de 1,02%.

  • Os índices bolsistas de Nova Iorque abriram esta quinta-feira com perdas de 0,1%. Os analistas de Wall Street querem mais detalhes sobre o acordo da OPEP. Tóquio liderou subidas na Ásia. Na Europa, Madrid, Milão e Moscovo registam os ganhos mais elevados