Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Antigo reprentante da Oi na PT apanha 18 anos de prisão

  • 333

Otávio Azevedo, ex-presidente do grupo brasileiro Andrade Gutierrez, foi condenado pela Justiça Federal no Rio a 18 anos de prisão pelos crimes no de no âmbito da Lava Jato. Otávio Azevedo chegou a ser o principal representante da Oi na Portugal Telecom.

Otávio Azevedo, ex-presidente do grupo brasileiro Andrade Gutierrez, foi condenado pela Justiça Federal no Rio a 18 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa no âmbito da Lava Jato, o caso de corrupção que envolveu a Petrobrás e construtoras brasileiras.

Otávio Azevedo, um dos homens mais poderosos do Brasil, foi um dos representantes da Oi na PT SGPS e um dos protagonistas mais ativos na gestão da relação entre o operador histórico português e a empresa brasileira. Saiu do conselho de administração da PT SGPS em julho de 2015, depois de conhecido o investimento ruinoso de 897 milhões de euros da PT SGPS na Rioforte (GES). Alegou então "desconforto" com o investimento da PT SGPS na empresa do grupo Espírito Santo e disse que nunca tinha ouvido falar de tal aplicação.

A sentença da justiça brasileira foi tomada nesta segunda-feira e, segundo a imprensa local, não é passível de recurso. Mas Azevedo não vai para um estabelecimento prisional, por ter feito delação premiada. Durante o primeiro ano vai cumprir pena em regime domicilio fechado, através da utiização de pulseira eletrónica. Se cumprir corretamente a pena nesse período, poderá entrar em regime semiaberto.

Otávio Azevedo foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) por crimes referentes a contratos da fábrica de Angra 3 investigados no âmbito da 16ª fase da Lava Jato,


Também Flávio Barra, ex-presidente da Andrade Gutierrez Energia, foi condenado com uma pena de 15 anos de prisão, também em regime de detenção no domicilio por ter feito delação premiada.