Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Dados de Lisboa vão ser de todos

  • 333

ILUSTRAÇÃO GETTY

Além da capital, Oeiras e Cascais também darão acesso a informação. Falta extrair o potencial económico

João Ramos

João Ramos

Jornalista

Nove startups portuguesas iniciaram esta semana o teste das suas aplicações móveis (ver caixa ao lado) em ambiente real, tirando partido dos dados abertos que a Câmara Municipal de Lisboa e mais três dezenas de entidades (como a EMEL, Carris, Transtejo, EPAL, Ministério do Ambiente ou Porto de Lisboa) disponibilizaram. Desta forma, vai ser possível ter acesso a informação destes organismos e empresas (excluem-se dados pessoais que ponham em causa a privacidade) que até agora estava fechada. Trata-se, por exemplo, de dados geoespaciais (mapas), demográficos (circulação das pessoas na cidade), transportes (fluxos de trânsito) e ambiente (consumos de energia e água).

As empresas que ficarem aprovadas neste período de experimentação, que decorre até 21 de outubro, terão acesso à Web Summit, no início de novembro, onde vão poder contactar com potenciais investidores.

Denominada Smart Open Lisboa, esta iniciativa do município da capital (em conjunto com a Portugal Telecom, Cisco, Startup Lisboa e Turismo de Portugal) visa não só fomentar o empreendedorismo como criar um conjunto de aplicações que permitam resolver problemas e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Apesar de Lisboa estar à frente face às outras cidades portuguesas, para Miguel Castro Neto, docente na NOVA Information Management School do ISEGI (Instituto Superior Estatística e Gestão da Informação), “Portugal ainda está a gatinhar no aproveitamento no domínio dos dados abertos” quando comparado com outros países. “Os dados abertos são uma revolução que permite tornar as cidades mais inteligentes, mais prósperas e transparentes”, defende este professor universitário que coordenou a iniciativa Nova Cidade da Nova Business School e que tem estado a trabalhar no arranque dos projetos de dados abertos de Oeiras, Lisboa e Cascais.

Os países nórdicos, os Estados Unidos e o Reino Unidos são países onde foi possível, através de estratégias ambiciosas de dados abertos “criar riqueza e emprego, além de tornar as cidades mais inteligentes e eficientes”. Miguel Castro Neto cita o caso exemplar da autoridade responsável pelos transportes públicos de Londres, a Transport for London. “Após abrir os dados surgiu uma nova vaga de aplicações móveis inovadoras que melhoraram qualidade de vida dos cidadãos e dos turistas que visitam Londres”, recorda. “O sucesso foi tal que o retorno de investimento foi invulgarmente elevado: por cada libra investida houve um retorno de 58 vezes mais”, revela o docente do ISEGI, citando dados revelados pelo Open Data Institute, uma associação sem fins lucrativos fundada por Tim Berners-Lee (criador da World Wide Web). Com efeito, o impacto económico dos dados abertos já se estendeu a todo o Reino Unido. Ainda segundo o Open Data Institute, as empresas britânicas que apostam em dados abertos alcançaram no seu conjunto receitas anuais da ordem dos 92 mil milhões de libras (€109 mil milhões) e alavancaram a criação de 500 mil postos de trabalho. Algumas cidades dos Estados Unidos (Chicago, Nova Iorque, São Francisco ou Boston) também estão entre as mais avançadas neste domínio.

O caminho a trilhar

Regressando à realidade portuguesa, Miguel Castro Neto diz que ainda se está na fase de sensibilizar as entidades para libertarem os dados. “Esta revolução não acontece enquanto os dados, que estão guardados em silos —dentro dos departamentos das empresas, nas autarquias ou na administração pública central —, não são libertados”, sublinha. “Se tivermos dados disponíveis, os organismos públicos podem ser mais transparentes e melhorar os serviços que prestam aos cidadãos”, acrescenta. Mas admite que possa haver problemas com a qualidade dos dados e com a segurança e privacidade das pessoas. Ao mesmo tempo, este especialista diz que deve haver uma preocupação com a conectividade através da internet. “Temos de arranjar modelos de ligação gratuita ou quase”, defende o docente da Universidade Nova de Lisboa. E dá como exemplo desencorajador da utilização de apps, os turistas que visitam as cidades portuguesas que ainda “têm custos muito elevados quando acedem à internet através de um smartphone”, considera.

Ao mesmo tempo, este especialista defende que as cidades portuguesas deveriam queimar etapas e preparar-se para tirar partido da dimensão analítica dos dados, determinar padrões e encontrar novas perspetivas que permitem tomar decisões e antecipar problemas. Um tema que Miguel Castro Neto já tinha introduzido no âmbito do estudo Cidades Analíticas, quando foi secretário de Estado do Ordenamento do Território do Governo de Passos Coelho. Oeiras está a começa a trilhar este caminho com a iniciativa ‘Oeiras Urban Analitics Hub’ lançada em julho e que vai começar pela recolha da opinião dos cidadãos. Os agentes económicos privados também têm muito a ganhar com a cidade analítica, mas este especialista adverte que “as questões de privacidade devem estar sempre salvaguardas” .