Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CGD ameaça Orçamento enquanto fizer empréstimos “de conveniência”, diz Teodora Cardoso

  • 333

A presidente do Conselho de Finanças Públicas não vê problemas em que a Caixa seja um banco público, mas considera que este tem de “se reger por princípios de racionalidade financeira”, admitindo que ”se não o fizer será sempre uma ameaça para a política orçamental”

Tiago Miranda

A presidente do Conselho de Finanças Públicas alerta que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) será "sempre uma ameaça para a política orçamental" enquanto fizer empréstimos "de conveniência", sem "racionalidade financeira".

"Eu espero que esta questão tenha tido pelo menos essa consequência, é que a Caixa não seja vista de futuro como um forma de financiar investimentos de conveniência, sobretudo para os governos da altura", afirmou Teodora Cardoso esta quinta-feira aos jornalista.

A economista não vê problemas em que a CGD seja um banco público, mas considera que este tem de "se reger por princípios de racionalidade financeira", admitindo que "se não o fizer será sempre uma ameaça para a política orçamental".

Teodora Cardoso diz que a solução encontrada entre o Governo e a Comissão Europeia "tem capacidade de resolver este problema", para que o banco não se retorne" a uma nova necessidade de capitalização do banco.

Apesar de lembrar que a capitalização da CGD, conforme definido com Bruxelas, não terá impacto orçamental, a presidente do CFP acha que "é evidente que [com uma injeção de] capital público vai aparecer na dívida pública".

O ministro das Finanças Mário Centeno disse esta quarta-feira no Parlamento que espera fechar o plano de recapitalização da CGD dentro de dois meses, altura em que o montante exato será definido.

A 24 de agosto passado, a Comissão Europeia anunciou ter chegado a um acordo de princípio com o Governo português para a recapitalização da CGD "em condições de mercado".

Já antes, através de comunicado, o Governo tinha salientado que o acordo estabelecido com Bruxelas permite que esta operação seja feita em condições de mercado, "compatíveis com a ausência de ajuda de Estado" e que "o Estado Português fica autorizado a realizar um aumento de capital até 2700 milhões de euros, a transferir as ações da ParCaixa para a CGD no valor de 500 milhões de euros e a converter 960 milhões de euros de instrumentos de capital contingentes (CoCo's) subscritos pelo Estado em ações".