Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Estrangeiros já garantem 23% das transações imobiliárias

  • 333

Os brasileiros já ultrapassaram os chineses na compra de imóveis em Portugal e são agora os terceiros que mais investem no imobiliário nacional

O investimento estrangeiro é já responsável por 23% das transações imobiliárias em Portugal.

Dados hoje revelados pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) revelam que no segundo trimestre de 2016, os cidadãos de origem brasileira ultrapassaram os chineses no que respeita ao número total de imóveis adquiridos em Portugal e representam já a terceira nacionalidade que mais investe no imobiliário nacional. Por outro lado, representam 10% do total dos investimentos estrangeiros no imobiliário em Portugal - um aumento de dois pontos percentuais face ao trimestre anterior.

De acordo com Luís Lima, presidente da APEMIP, o perfil do brasileiro que investe em Portugal é alguém cuja idade se situa acima dos 50 anos, claramente das classes A/B, e com algum grau de ‘qualificação’ enquanto investidores, os quais acabam arrastar mais conhecidos seus para Portugal.

A APEMIP revela ainda que no segundo trimestre de 2016, o investimento estrangeiro contabiliza um total de 23% das transações efetuadas, registando um aumento de 3% face ao trimestre anterior, o que, para Luís Lima “confirma a importância do investimento estrangeiro no imobiliário português, e reflete uma ligeira contração do mercado interno”.

As preferências dos investidores estrangeiros continuam a centrar-se nas regiões de Lisboa, Porto e Algarve. “ O Algarve continua a reunir as preferências dos investidores ingleses, enquanto Lisboa e Porto são as principais cidades procuradas por franceses ou brasileiros”, declara o dirigente daquela associação.

Por nacionalidade, os franceses - com 25% -, continuam a ser os que mais investem em Portugal. Segue-se os ingleses, com 19%, e os brasileiros, com 10%. De referir ainda que o investimento chinês caiu para o quinto lugar, sendo ultrapassado pelo investimento brasileiro e suíço.