Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CMVM suspende ações do BPI em dia de assembleia geral

Nuno Fox

Suspensão da negociação das ações acontece no dia em que os acionistas do banco voltam a reunir-se em assembleia geral para discutir o fim da limitação de votos, quando decorre uma batalha judicial e notícias indicam que a OPA do Caixabank poderá não avançar

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou esta manhã a suspensão da negociação das ações do BPI até à divulgação de informação relevante sobre o banco, que esta terça-feira se reúne em assembleia-geral.

Em comunicado, a CMVM informz que o Conselho de Administração da Comissão deliberou a suspensão da negociação das ações do BPI, S. A., até à divulgação de informação relevante sobre o emitente.

Esta suspensão acontece no dia em que os acionistas do BPI voltam a reunir-se em assembleia-geral para discutir o fim da limitação de votos, quando decorre uma batalha judicial e notícias indicam que a OPA do Caixabank poderá não avançar.

A reunião magna está marcada para as 10h, na Fundação de Serralves, no Porto, depois de a anterior reunião, de 22 de julho, ter sido suspensa por 45 dias.

Esta reunião foi suspensa após ter sido conhecido que o tribunal aceitou a providência cautelar do acionista Violas Ferreira Financial no sentido de não poder ser votada a proposta de alteração de estatutos apresentada pelo Conselho de Administração do banco.

A questão da desblindagem de estatutos tornou-se um assunto maior no BPI devido à 'guerra' que opõe os principais acionistas, o espanhol Caixabank e a angolana Santoro, de Isabel dos Santos, que não se entendem quer na redução da exposição do banco a Angola (por causa das regras do Banco Central Europeu), quer numa estratégia para o BPI.

É que apesar de os espanhóis terem 45% do BPI apenas podem votar com 20%, pelo que na prática estão em situação de paridade com a angolana Santoro, com 18,6%, uma participação que se associa aos 2,28% do Banco BIC, uma vez que ambas as empresas têm Isabel dos Santos como acionista de referência.

As ações do BPI fecharam segunda-feira a cair 3,04% para 1,09 euros.

  • A Bolsa de Lisboa acordou com as ações do BPI suspensas, à espera de decisões a tomar na assembleia geral desta manhã, e marcada pela aprovação do plano de recuperação da Oi pela administração da operadora brasileira

  • As ações do BPI fecharam a cair 3,04% em Bolsa esta segunda-feira, depois de já terem estado a perder 5,4%. Os investidores temem que o espanhol CaixaBank desista da Oferta Pública de Aquisição sobre o BPI, uma hipótese levantada por uma notícia do El Confidencial.