Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Do abandono à requalificação

  • 333

REQUALIFICAÇÃO. Os Pavilhões do Parque, nas Caldas da Rainha, deverão ser adaptados a uma unidade hoteleira de grande dimensão

FOTO CMCR

Os Pavilhões do Parque, nas Caldas da Rainha, são o mais recente alvo do programa Valorização do Património, em que 30 imóveis abandonados e degradados serão concessionados a privados para investimento turístico

Foi esta quarta-feira assinado o memorando de entendimento sobre a recuperação dos Pavilhões do Parque, nas Caldas da Rainha, que deverão dar lugar a uma unidade hoteleira de grande dimensão. O memorando foi celebrado pelo Turismo de Portugal, Direção Geral do Património Cultural, Direção Regional de Cultura do Centro, Direção Geral do Tesouro e Finanças e pelo Município das Caldas da Rainha.

Os Pavilhões do Parque integram a lista de 30 edifícios do programa “Valorização do Património”, que consiste na concessão de património ao abandono e degradado à concessão de privados para investimento turístico.

Ao todo, o Governo espera que venham a ser investidos 150 milhões de euros por entidades privadas no âmbito deste programa que está a ser desenvolvido pelos ministérios da Economia, Cultura e Finanças.

Já no início de agosto, também a Câmara Municipal de Elvas tinha assinado um memorando de entendimento para o mesmo efeito. O Convento de São Paulo, em Elvas, tornou-se assim o primeiro de 30 edifícios públicos que o Governo Português irá concessionar a privados, durante 40 anos e através de um investimento superior a 5 milhões de euros, com o objetivo de criar uma unidade hoteleira.

REQUALIFICAÇÃO. O Convento de São Paulo, em Elvas, será concessionado a privados, durante 40 anos, com o objetivo de criar uma unidade hoteleira

REQUALIFICAÇÃO. O Convento de São Paulo, em Elvas, será concessionado a privados, durante 40 anos, com o objetivo de criar uma unidade hoteleira

d.r.

O segundo edifício cedido pelo Governo é a Quinta do Paço de Valverde, em Évora, que também será transformada num hotel de quatro ou cinco estrelas, num prazo de concessão de 30 anos. O ministério da Economia prevê divulgar a lista completa dos 10 primeiros imóveis até ao final de setembro, e os restantes 20 até ao final do ano.

Esta semana, o Turismo de Portugal e a Portugal Ventures (capital de risco do Estado) deram também a conhecer os números que fazem o balanço das candidaturas ao programa “+Património +Turismo”. Houve 95 propostas entregues com o objetivo de, associadas ao turismo, mais contribuir para a valorização do património cultural e natural do país.

As candidaturas submetidas no portal da Portugal Ventures, entre 16 de junho e 31 de julho, revelam que as startups de base tecnológica (37 candidaturas) e as associadas a atividades de animação turística (27 candidaturas) foram as que mais propostas agregaram, sendo que os participantes que passaram para a fase seguinte e que venham a ser selecionados para apoio, podem ver atribuído ao seu projeto um montante máximo de 500 mil euros.

Esta foi a primeira vez que os jovens empresários do Turismo tiveram ao seu dispor, o Programa “+Património +Turismo” que tem um valor global previsto de 10 milhões de euros, estando enquadrado na Estratégia Nacional para o Empreendedorismo StartUP Portugal que pretende estimular o aparecimento de startups e de novos negócios.