Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida em ligeira subida antes de leilão do IGCP

  • 333

No mercado secundário os juros das Obrigações do Tesouro a 5 e 10 anos sobem ligeiramente esta quarta-feira em relação ao fecho do dia anterior. Em dia de leilão de dívida naqueles prazos, as yields estão acima da taxa paga a 5 anos e abaixo da taxa paga a 10 anos nos últimos leilões similares em junho e julho

Jorge Nascimento Rodrigues

As yields das Obrigações do Tesouro (OT) a 5 e 10 anos estão esta quarta-feira, pelas 9h30, em alta ligeira no mercado secundário da dívida, manhã em que a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) regressa ao mercado obrigacionista naqueles prazos. O IGCO pretende colocar entre 750 a 1000 milhões de euros.

O IGCP reabre dentro de uma hora duas linhas de OT que vencem em abril de 2021 e julho de 2026 e que servem atualmente de referência para os prazos a 5 e 10 anos. As yields destas duas linhas no mercado secundário subiram esta manhã para 1,92% e 3,07% respetivamente, ligeiramente acima dos valores de encerramento do dia anterior. As yields no mercado secundário servem de indicador para as eventuais taxas de colocação nas operações no mercado primário.

A 5 anos, as yields estão esta manhã acima da taxa de colocação paga no mais recente leilão de OT naquele prazo realizado a 8 de junho, quando o IGCP pagou 1,843% numa colocação de 600 milhões de euros.

No prazo mais longo, a 10 anos, as yields situam-se, agora, em 3,07%, abaixo da taxa de colocação de 3,09% que a Agência do Tesouro pagou no leilão de 13 de julho, quando colocou 584 milhões de euros.

A sessão em Portugal será, também, marcada pela divulgação das Contas Nacionais Trimestrais pelo Instituto Nacional de Estatística que revelarão as novas estimativas para o crescimento do Produto Interno Bruto no segundo trimestre do ano.

  • PIB, PIB, hurra? Talvez sim, talvez não

    O INE pode rever esta quarta-feira em alta o crescimento da economia portuguesa no segundo trimestre. Uma décima pode ser suficiente para inverter a tendência negativa mas não justifica que se comecem a lançar foguetes. A este ritmo, nem a 1% chega no final do ano