Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Imagens 3D ajudam a vender casas

  • 333

Andrea Peres coordena, a partir de Portugal, a expansão internacional da tecnológica maltesa dPro

Jose Carlos Carvalho

Empresa de Malta escolheu Portugal para iniciar internacionalização de plataforma de realidade virtual

João Ramos

João Ramos

Jornalista

Visualizar em três dimensões o interior de uma casa ainda em projeto como se já estivesse mobilada e habitada é o que propõe a ferramenta criada pela tecnológica maltesa dPro. Os principais destinatários são os gabinetes de arquitetura e de imobiliárias de luxo que assim podem mostrar aos seus clientes os empreendimentos através de imagens 2D e 3D (duas e três dimensões) ou animações em realidade virtual.

Para iniciar o ataque ao mercado internacional, a dPro escolheu Portugal para instalar a primeira subsidiária que irá ter a missão de coordenar as vendas na Europa Ocidental. A opção por Portugal pode parecer estranha mas surgiu com naturalidade após a empresa ter recrutado como diretora-geral Andrea Peres, uma arquiteta portuguesa que viveu em Malta onde conheceu os fundadores da dPro, Philip Farrugia e Roderick Bartolo, também eles arquitetos.

“Abrimos o escritório em Portugal em abril e estamos em vias de fechar um primeiro contrato com uma imobiliária do sector de luxo. E também já termos arquitetos que utilizam a nossa plataforma como marca branca, ou seja, em que colocamos o logótipo da empresa que nos encomendou as imagens”, refere Andrea Peres.

Além do arranque da operação local, o escritório português está a coordenar as vendas da dPro no Reino Unido, França e Holanda.

Crescimento acelerado

A empresa maltesa arrancou em 2014 com 4 pessoas e neste momento tem 12 colaboradores e realizou mais de uma centena de projetos. “A ideia de criar a dPro surgiu da necessidade de os fundadores obterem imagens fotorrealistas de elevada qualidade por um preço justo e num prazo aceitável”, revela Andrea Peres. “Como não encontraram qualquer empresa que satisfizesse os padrões de qualidade e estivesse dentro do orçamento, Philip Farrugia e Roderick Bartolo decidiram criar a sua própria equipa que dominasse a tecnologia, a arquitetura e o design de interiores”, acrescenta a responsável pela filial portuguesa.

No segundo ano de atividade, o objetivo da dPro é tornar-se “uma extensão das empresas de arquitetura e design de interiores, permitindo que elas consigam comunicar eficazmente com os seus clientes e com baixo custo”, refere Andrea Peres.“Estamos a investir em tecnologia e a aumentar a equipa”, acrescenta.

O crescimento da dPro, segundo a responsável portuguesa, resulta do facto de “ter uma equipa constituída por arquitetos, designers de interiores e artistas gráficos que trabalham juntos para obter os melhores resultados visuais”. Já a aceitação junto das empresas imobiliárias resulta do facto de a plataforma dPro “ser uma ferramenta de marketing que permite aumentar e acelerar as vendas”, conclui Andrea Peres.