Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Recapitalização da Caixa obrigará a um orçamento retificativo

  • 333

FOTO Luis Barra

Entrada de dinheiro do Estado na CGD, no valor de 2,7 mil milhões de euros, deverá acontecer ainda este ano

A injeção direta de até 2,7 mil milhões de euros pelo Estado na CGD deverá ocorrer ainda este ano, obrigando assim a um orçamento retificativo, confirmou esta quarta-feira o ministro das Finanças.

Mário Centeno explicou que o montante a colocar no banco está dependente da realização de uma auditoria externa a encomendar pela CGD, Comissão Europeia e Governo. O montante da capitalização determinará um aumento de dívida pública e, sendo feito ainda este ano, implicará um orçamento retificativo.

Mas o mais relevante neste processo foi o facto de se ter conseguido que a Direção Geral de Concorrência da União Europeia (DGComp) aprovasse a operação sem a considerar ajuda de Estado. Como tal, não haverá impacto no défice.

Quanto à emissão de obrigações no montante de 1000 milhões de euros, será feita em duas fases, a primeira no valor de 500 milhões, que decorrerá em simultâneo com a injeção de capital público, disse Mário Centeno. Será dirigida a "investidores não relacionados com o Estado português", mas o ministro não esclareceu bem a que investidores se referia. Apenas disse que "se trata de dívida subordinada com as consequências que isso tem".