Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

O que se descobre no balanço de 26 anos de trabalho da AEP?

  • 333

A Associação Empresarial de Portugal apoiou a internacionalização de 3000 PME. Já o futuro passa por trazer cada vez mais os potenciais clientes ao país

Os dados chegam em jeito de balanço de 26 anos de trabalho da AEP - Associação Empresarial de Portugal, que também já se chamou AIP - Associação Industrial Portuense: somam missões comerciais multissectoriais e participações em feiras para abrir mercados e concluem que em 26 anos a estrutura associativa organizou 476 ações de promoção da oferta nacional em 72 países, que somaram a participação de três mil empresas de bens transacionáveis.

As fileiras da construção, agroalimentar, saúde, mobiliário e decoração são, de acordo com esta análise, as que "mais têm sabido aproveitar os programas de apoio à internacionalização empresarial e de fomento das exportações que a AEP leva a cabo desde 1990", refere a associação em comunicado.

Na agenda de 2016 estão 31 ações em 27 mercados, mas o programa associativo de internacionalização Business on the way poderá passar as quatro dezenas de iniciativas, antecipa a associação liderada por Paulo Nunes de Almeida. Neste número, pesa o facto da AEP organizar cada vez mais a deslocação a Portugal de grupos de compradores estrangeiros, a par de seminários e encontros de negócios, entre outras iniciativas, como as ações de mentoring sobre mercados ainda pouco explorados pelas PME lusas.

Só entre janeiro e julho, os técnicos que trabalham na operacionalização deste programa somaram mais de 90.600 quilómetros de avião em 14 ações, numa rota que passou por Díli, Teerão, Dubai, Singapura, Havana, Baku, Abidjan e Bogotá. Entre setembro e novembro estão programadas mais 17 ações e a estreia das missões da AEP na Etiópia.

E porquê a Etiópia? Para a prospeção comercial e recolha de informação sobre planos de combate à pobreza, de incremento da competitividade agrícola do país e de investimentos em infraestruturas que o Governo etíope tem em curso com o apoio de organizações multilaterais, explica a AEP.

Contabilizados os números de 2016, a Associação Empresarial de Portugal espera fechar o ano com um total de 493 ações organizadas durante 26 anos para alargar a base exportadora das empresas nacionais.

"Já apoiamos perto de 3000 empresas a iniciar ou a consolidar o respetivo processo de internacionalização. A maior parte delas são empresas que começaram a ir connosco a feiras e missões no estrangeiro e ainda hoje continuam a participar nas nossas iniciativas", refere Mónica Moreira, diretora da AEP Internacionalização.

Certficar o made in Portugal

O balanço apresentado esta quinta-feira refere também que a AEP emite anualmente 12 mil certificados de origem, que permiitem a milhares de empresas atestar junto de clientes externos que os seus produtos são made in Portugal.

Com base nos números reunidos, Mónica Moreira reclama para a AEP o título de "instituição privada mais ativa na internacionalização empresarial e com mais iniciativas de âmbito multisectorial realizadas anualmente nesta área em Portugal".

Neste caminho de potencial as relações e a comunicação entre as empresas e os mercados abrangidos pelo programa Business ion the Way, cofinanciado pelo Compete 2020, no âmbito do Portugal 2020 - programa Operacional Comeptitividade e Internacionalização, surge, agora, também, um portal eletrónico e a revista Bow - Competitividade Global, onde o presidente da associação, Paulo Nunes de Almeida defende que "a internacionalização das empresas é o principal caminho para as empresas em particular as PME crescerem, diversificarem mercados e criarem oportunidades".

"Normalmente, as empresas portuguesa não dispõem de conhecimentos adequados, de recursos humanos, habilitados ou não têm condições para investir num departamento de internacionalização interno, pelo que é neste sentido que a área de internacionalização da AEP tem vindo a atuar", sublinha.