Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CGD passa de lucros a prejuízos de €205,2 milhões no 1.º semestre

  • 333

José de Matos

Marcos Borga

Em igual período do ano passado, a Caixa teve lucro de 47,1 milhões de euros. O banco público justifica que os resultados foram influenciados “pela elevada volatilidade sentida nos mercados financeiros internacionais, incluindo a dívida pública, associada ao referendo do Reino Unido sobre a permanência na União Europeia”

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) teve prejuízos de 205,2 milhões de euros no primeiro semestre, que comparam com o lucro de 47,1 milhões de euros do mesmo período de 2015, segundo os resultados comunicados ao mercado.

O produto bancário teve uma queda de 34,6% para 754,7 milhões de euros, com o banco público a justificar em grande parte com os 47,4 milhões de euros negativos nos resultados de operações financeiras, "influenciados pela elevada volatilidade sentida nos mercados financeiros internacionais, incluindo a dívida pública, associada ao referendo do Reino Unido sobre a permanência na União Europeia", refere o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As margens financeiras estrita e alargada cresceram ambas, 5,5% e 2,8% para 568,7 e 598,3 milhões de euros, respetivamente, devido à "redução do custo do financiamento (...) que ultrapassou a redução também sentida nos juros de operações ativas".

Já as comissões líquidas caíram 7,1% para 230,1 milhões de euros entre janeiro e junho, num período de "forte pressão concorrencial e regulamentar sobre a sua cobrança", segundo o banco ainda liderado por José de Matos.

No primeiro semestre deste ano, a CGD constituiu 328,4 milhões de euros em provisões e imparidades, nomeadamente para crédito, um aumento de 2,1% face aos primeiros seis meses de 2015.

A CGD diz ainda que, apesar dos prejuízos totais no semestre, "o resultado de exploração core (soma da margem financeira estrita e comissões, deduzida dos custos operativos) aumentou 19,1% para 159,6 milhões de euros, influenciado pelo bom comportamento da margem financeira estrita e dos custos operativos".