Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Grupo chinês torna-se maior acionista da Azul de Neeleman

  • 333

José Carlos Carvalho

O grupo Hainan Airlines fica com fatia de 23,7% da Azul. Em julho, os chineses já tinham investido 30 milhões de euros na compra de 25% de obrigações convertíveis da TAP

Lusa

O grupo chinês Hainan Airlines completou esta quinta-feira a compra de uma participação de 23,7% na Azul Linhas Aéreas Brasileiras, empresa de David Neeleman, empresário que, com o português Humberto Pedrosa, ganhou a privatização da TAP.

O negócio, que ficou concluído por 450 milhões de dólares (403 milhões de euros), torna a Hainan no maior acionista da Azul, segundo o comunicado difundido pela empresa chinesa.

"Consideramos a Azul um parceiro forte e a longo prazo para a HNA expandir-se e investir na América Latina", afirmou Adam Tan, chefe executivo da Hainan Airlines, na mesma nota.

Em julho passado, a maior companhia aérea privada chinesa desembolsou 30 milhões de euros na compra de 25% de obrigações convertíveis da TAP.

No mesmo mês anunciou a aquisição, por 1,5 mil milhões de dólares (1,35 mil milhões de euros), da Gategroup Holding AG, a segunda maior empresa do mundo de ‘catering' especializado para o setor da aviação.

A Hainan Airlines vai cooperar com a Azul em áreas como partilha de códigos de voos, abertura de novas rotas, marketing e tarifas de transporte, refere o comunicado.

O consórcio chinês, com sede na ilha de Hainan, no extremo sul da China, opera nos setores de aviação, indústria, turismo, logística e financeiro.

Pequim tem encorajado as empresas do país a investir além-fronteiras, como forma de assegurar matérias-primas e fontes confiáveis de retornos, face aos sinais de abrandamento na economia doméstica.

Esta semana, o grupo Fosun, que em Portugal já investiu quase 1.500 milhões de euros, detendo a seguradora Fidelidade, o grupo Luz Saúde e uma participação de 5,3% na REN, anunciou a aquisição da empresa brasileira gestora de investimentos Rio Bravo.