Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Efeito Fosun nas ações do BCP já passou

  • 333

Nuno Fox

O desejo de entrada da Fosun no capital do BCP é positivo, mas o efeito nas ações do banco já passou. O título está a cair mais de 2%

O anúncio, este fim de semana, de que o grupo segurador chinês Fsoun estava disponível para entrar no aumento de capital do BCP, adquirindo numa fase inicial 16,7% do capital, trouxe um impulso positivo ao título na Bolsa de Lisboa, mas o efeito já se desvaneceu. Esta terça-feira, as ações do BCP estavam a registar, às 9h45, uma perda de 2,09% para 1,8 cêntimos. Um comportamento em linha com o mercado, já que o PSI20 está a desvalorizar 1,22%.

A Fosun, que em Portugal controla da Fidelidade e a Luz Saúde, mostrou-se disponível para entrar no BCP, num aumento de capital reservado, a dois cêntimos por ação, valor em torno do qual o banco se tem cotado nas últimas semanas. É uma notícia positiva para o BCP, uma vez que permite injetar no banco cerca de 236 milhões de euros, mas em termos de cotação em Bolsa não tem grande impacto, e já é isso que esta manhã as ações estão a refletir.

Se for ao aumento de capital, a Fosun ascende a maior acionista do BCP, ocupando o lugar que é hoje da angolana Sonangol, que veria a sua atual posição diluída de 17,8% para 14,9%. A Fosun admite poder vir a deter uma posição de 30% no capital do banco liderado por Nuno Amado, que a seguradora chinesa assume que gostaria que se mantivesse no cargo.

Em Portugal desde 2013, ano em que comprou a Fidelidade, e com algum conhecimento do sector bancário nacional, já que esteve na corrida à compra do Novo Banco na primeira fase, a Fosun é vista pelos analistas ouvidos pelo Expresso como um acionista interessante para o BCP.

  • As bolsas europeias iniciaram a sessão de terça-feira com quebras, com exceção de Varsóvia. O índice PSI 20 da bolsa de Lisboa está em linha com a tendência europeia e o BCP lidera as quedas. Maioria dos mercados financeiros asiáticos fecharam no vermelho

  • O dia foi negativo para a maior parte dos bancos europeus. O BCP desvalorizou 5,45% depois de ter chegado a subir 12,3%.

  • Chineses da Fosun querem até 30% do BCP

    Segundo o Expresso apurou, parte da entrada de capital no BCP poderá ser feita através de um private placement de entre 15 a 30%, sendo o resto do capital subscrito na íntegra pela Fosun