Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

ERC aprova André Macedo na RTP

  • 333

Parecer do regulador é vinculativo e dá luz verde à entrada do ainda diretor do “DN” na RTP, como diretor-adjunto de informação. Reorganização da informação da RTP vai avançar. Conselho de redação tinha chumbado Macedo.

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) deu luz verde à entrada do ainda director do “Diário de Notícias”, André Macedo, na direcção de informação da RTP, onde irá ocupar o cargo de director-adjunto com o pelouro da informação económica. O jornalista vai iniciar funções a 1 de setembro.

A informação foi avançada ao Expresso por fonte do operador público, horas depois de ter sido noticiado o parecer negativo que o Conselho de Redação da RTP tinha dado à contratação de Macedo. Ao contrário do parecer do Conselho de Redação, que não é vinculativo, o parecer do regulador dos media é vinculativo e permite assim à estação avançar com a reorganização da sua estrutura diretiva na área informativa.

Nesse sentido, segundo a mesma fonte, deverá ser publicada ainda hoje uma ordem de serviço na RTP a formalizar a reorganização da direção de informação do operador público, que levará o jornalista Paulo Dentinho a acumular o cargo de diretor de informação da RTP com o cargo de director da RTP 3.

Segundo as informações avançadas esta quinta-feira à tarde pela Lusa, o parecer negativo do Conselho de Redação da RTP à contratação de André Macedo foi justificado com a convicção dos jornalistas de que – à luz da “evidente carência de recursos humanos” da estação - a prioridade da empresa deveria passar pela contratação de jornalistas para “as tarefas quotidianas da redação, em detrimento de jornalistas diretores”.

Apesar de reconhecerem que o currículo profissional de André Macedo apresenta “motivos suficientes para emitir um parecer positivo quanto à nomeação", os membros do CR da RTP entenderam assim que no contexto atual da estação esse parecer não poderia ser positivo dado que esta contratação poderia “acentuar os sentimentos de injustiça, frustração e mal-estar” tendo em conta as limitações salariais que têm sido impostas à maioria dos trabalhadores da empresa.