Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lucros do Deutsche Bank caem 98% para 20 milhões de euros

  • 333

Sean Gallup/GETTY

O maior banco da Alemanha sofreu no primeiro semestre uma queda de depósitos além de mais 53% em perdas de provisões com créditos problemáticos, e enfatiza o efeito da "incerteza macroeconómica" com o Brexit

Os lucros do Deutsche Bank caíram para 20 milhões de euros no primeiro semestre de 2016, correspondendo a menos 98% que em igual período do ano passado, indicam os resultados divulgados hoje.

De acordo com o relatório, registou-se também uma redução de 9% no que diz respeito aos depósitos durante os primeiros seis meses do ano, no maior banco da Alemanha.

A análise refere que, além da queda dos depósitos e da redução das taxas de juro a nível europeu, inseridos "num mercado difícil", existe também "incerteza macroeconómica" por causa do referendo no Reino Unido que determinou o triunfo do 'Brexit' (saída da União Europeia).

Segundo o relatório, trata-se de fatores que afetaram as decisões estratégicas do Deutsche Bank, sendo que as perdas de provisões relacionadas com créditos problemáticos aumentaram 53% entre janeiro e junho, correspondendo a um valor de 564 milhões de euros.

"As reformas no banco reduziram os nossos resultados, mas estamos satisfeitos com os progressos alcançados. Reduzimos riscos, investimos em questões internas e modernizamos a nossa infraestrutura", afirmou John Cryan, o novo presidente do Deutsche Bank.

Mesmo assim, o presidente do banco alertou que caso se mantenha "o fraco ambiente económico" é preciso mostrar mais ambição na rapidez e na intensidade das reformas internas da instituição.

O documento mostra também que os custos relacionados com litígios baixaram no segundo trimestre do ano (120 milhões de euros), em relação ao mesmo trimestre de 2015.

Os custos ligados à reestruturação e indemnizações atingiram os 207 milhões de euros, também no segundo trimestre de 2016, um valor mais elevado do que os 45 milhões que foram dispendidos em igual período de 2015. John Cryan preside o Deustche Bank desde o passado mês de maio.