Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Juros da dívida descem em dia de sanções

  • 333

Os juros da dívida portuguesa e espanhola abriram a descer esta quarta-feira, dia de anúncio da decisão da Comissão Europeia sobre as sanções aos dois países ibéricos. Os índices PSI 20 e Ibex 35 das bolsas de Lisboa e Madrid iniciaram a sessão com ganhos

Jorge Nascimento Rodrigues

As yields das Obrigações portuguesas e espanholas no prazo de referência, a 10 anos, abriram esta quarta-feira em baixa no mercado secundário da dívida soberana da zona euro. Pelas 8h30 (hora de Portugal), as yields das Obrigações do Tesouro português, naquele prazo, registavam uma descida de 3,04% no fecho de terça-feira para 3,2% na abertura de hoje. No caso das obrigações espanholas, abriram em 1,1%, dois pontos base abaixo do fecho no dia anterior.

Nas bolsas de Lisboa e Madrid, a abertura esta quarta-feira registou ganhos. Pelas 8h30, o PSI 20 subia 0,6% e o Ibex 35 avançava 0,7%. O índice Eurostoxx 50, das cinquenta principais cotadas da zona euro, ganhava 0,6%.

A Comissão Europeia deverá comunicar ainda esta manhã a sua decisão sobre as sanções a Portugal e Espanha.

Governo japonês avança em agosto com estimulos orçamentais

Na Ásia Pacífico, as bolsas fecharam em terreno “misto”, com o índice DJ de Xangai a cair 3,2% e o índice Nikkei 225 de Tóquio a subir 1,7%. Sidney e Taipé fecharam em terreno positivo. Seul encerrou no vermelho, e o índice Hang Seng em Hong Kong flutuava em torno da linha de água.

A sessão asiática ficou marcada pelo anuncio em Fukuoka, no Japão, que o governo de Shinzo Abe aprovará a 8 de agosto um pacote de estímulos orçamentais à economia nipónica que está quase-estagnada e com deflação (inflação negativa desde março). O pacote de 28 biliões de ienes (cerca de 241 mil milhões de euros) deverá ser, depois, apresentado no Parlamento em setembro no âmbito de um orçamento suplementar para 2016, envolvendo investimentos em infraestruturas portuárias e ferroviárias (nos comboios de alta velocidade) e um aumento de 3% do salário mínimo. O Ministério das Finanças nipónico desmentiu a notícia do The Wall Street Journal que o governo lançaria uma emissão de dívida a 50 anos com cupão zero que depois seria adquirida pelo banco central. Os investidores aguardam, agora, as decisões do Banco do Japão (BoJ), que reúne o comité de política monetária quinta e sexta-feira. Os analistas admitem que no Japão se assistirá a uma coordenação anti-deflação e de impulso ao crescimento por parte do governo e do BoJ.

Em Washington termina esta quarta-feira a reunião do comité de política monetária da Reserva Federal norte-americana (Fed). A presidente da Fed, Janet Yellen, deverá comunicar as decisões pelas 19h (hora de Portugal), já depois do fecho da sessão europeia.