Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

“Fixar um preço mínimo para o C02 é como lançar um imposto”

  • 333

Spencer Dale, Economista-chefe da BP

José Caria

O “custo das energias mais poluentes deve aumentar para benefício da humanidade daqui a 30 anos”, mas “são os políticos que têm a responsabilidade de aplicar medidas nesse sentido”. É a posição defendida por Spencer Dale, principal economista da multinacional BP. Para já, diz que ninguém sabe quais serão as consequências do ‘Brexit’. Spencer Dale foi um dos principais consultores da Reserva Federal dos EUA e foi diretor executivo do Banco de Inglaterra, com o pelouro da estabilidade financeira

O mundo continua mais sensível à energia barata do que às emissões poluentes. Em 2015, as empresas que produzem eletricidade recorreram à queima de carvão porque os preços de mercado estavam muito baixos, sabendo que iam utilizar a fonte de energia mais poluente que há. Isso quer dizer que a cotação dos direitos de emissões de CO2 — de €4,67 por tonelada de CO2, praticados em julho, segundo a Reuters — não trava a utilização do carvão. Como será possível promover o aumento do consumo de gás natural pelas centrais elétricas?

Isso vai acontecer sem precisarmos de transformar todo o sistema de negociação europeu de direitos de emissões de CO2. E há soluções relativamente simples e eficazes para fazermos isso na União Europeia. Por exemplo, se for colocado um preço mínimo (um floor) na tonelada de CO2, como fizemos no Reino Unido, de aproximadamente 18 libras, que equivale a cerca de €22, essa medida terá um impacto imediato nos produtores de energia elétrica, que deixarão de utilizar o carvão. Vamos assistir a um aumento significativo da queima de gás natural.

Dirige esse conselho ao Governo português?

Não dou conselhos a governos sobre alternativas de política energética.

Acredita que a evolução do mercado do gás natural será favorável ao aumento do seu consumo?

Sim, sobretudo pensando num horizonte de cinco a sete anos. Nessa altura teremos acesso a muito gás natural vindo da Austrália e dos EUA, que será mais barato.

Leia mais na edição deste fim de semana